Chuva com granizo derruba árvore e poste sobre carros

Por Caio Cuccino Teixeira
Alagamento na rua Vieira de Moraes, no bairro Campo Belo | Filipe Schmid/Sigmapress/Folhapress Alagamento na rua Vieira de Moraes, no bairro Campo Belo | Filipe Schmid/Sigmapress/Folhapress

A forte chuva com granizo que atingiu a capital no início da tarde de quinta-feira causou alagamentos, queda de árvores, além do fechamento do aeroporto de Congonhas por cerca de 30 minutos.

Na avenida Rio Branco, a queda de uma árvore sobre a fiação elétrica fez com que um poste caísse sobre um Mercedes-Benz. O carro, blindado, estava sendo conduzido por um manobrista, que escapou sem nenhum ferimento. Outra árvore caiu na rua Antônio Felício, entre a avenida Nove de Julho e a rua Itacema, no Itaim, atingindo veículos que estavam estacionados. Ninguém ficou ferido.

O temporal teve início por volta das 13h30, quando o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergência) colocou toda a cidade em estado de atenção, por risco de alagamentos.

Houve queda de granizo em Itaquera, na zona leste, e em bairros da zona norte, como Lauzane Paulista,  Santana e Vila Maria.

Segundo a CET, foram registradas sete quedas de árvores na cidade. Também foram registrados 19 pontos de alagamentos, cinco deles intransitáveis. Alguns bloquearam vias importantes, como as avenidas Abraão de Morais, no Ipiranga, e Roque Petroni, na zona sul. A chuva diminuiu por volta das 16h, quando todas as regiões da cidade deixaram o estado de atenção

Os bairros que registraram maior volume de chuva foram a Freguesia do Ó, com 68,5 milímetros e Santo Amaro (37,8 mm).  

Árvore caiu sobre carro na rua Antônio Felício, no Itaim | Johnny De Franco/Sigmapress/Folhapress Árvore caiu sobre carro na rua Antônio Felício, no Itaim | Johnny De Franco/Sigmapress/Folhapress

120 semáforos pifados

O temporal desta quinta-feira também causou transtornos no trânsito da capital. Com a chuva e o rodízio suspenso (a restrição volta a valer apenas a partir de segunda-feira), os índices de congestionamento ficaram acima da média durante todo o dia.

Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), foram registrados 120 semáforos com problemas na cidade, sendo 83 apagados e outros 37 em amarelo piscante.

Por volta das 15h, a cidade registrava 84 km de lentidão, bem acima da média para o horário.

Logo depois da chuva, que acabou por volta das 17h, a marginal Tietê era a pior alternativa na cidade, com 6,5 km de congestionamentos. As filas se concentravam entre as pontes das Bandeiras e Freguesia do Ó, no sentido Ayrton Senna. Naquele horário, a cidade registrava 80 km. Por volta das 19h10, a cidade ainda tinha nove pontos de alagamento, um deles intransitável.

Segundo o secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, a prefeitura já revitalizou cerca de 2 mil, dos 6 mil, cruzamentos semaforizados da capital.  

indices-lentidao-transito-sao-paulo-arte

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo