Presídios de São Paulo começam a receber bloqueadores de celular

Por Carolina Santos
Penitenciária de Presidente Venceslau é uma das primeiras a receber o aparelho | Reprodução de TV Penitenciária de Presidente Venceslau é uma das primeiras a receber o aparelho | Reprodução de TV

Os presídios que abrigam a cúpula do PCC serão os primeiros a receber bloqueadores de celulares. O governo deve assinar nesta semana o contrato com a empresa que irá executar o serviço.

A medida é mais uma tentativa de evitar a comunicação de detentos com comparsas que estão do lado de fora das cadeias.
No total, 23 unidades vão receber bloqueadores – 15% do sistema prisional do Estado. As penitenciárias de Presidente Venceslau e Avaré serão as primeiras a receber os aparelhos.
O secretário da Administração Penitenciária, Lourival Gomes, diz que o critério de escolha foi a periculosidade dos presos de cada presídio.

“Queremos o equipamento totalmente instalado em janeiro”, afirma.

No ano passado, 13 mil celulares foram apreendidos em penitenciárias de São Paulo. Cartas, maços de cigarro, roupas íntimas e até próteses estão entre os itens utilizados para esconder aparelhos e chips. Até mesmo um relógio de pulso que faz ligações foi recolhido durante revista em uma unidade no interior.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo