Porteiro pega 60 anos por mortes de família de ministro do TSE

Por george.ferreira

O júri popular no TJ-DF (Tribunal de Justiça do Distrito Federal) concluiu, por volta das 4h desta sexta-feira, o julgamento de dois réus envolvidos no caso Villela, em Brasília. O ex-porteiro Leonardo Campos Alves recebeu uma pena de 60 anos em regime inicial fechado, pelos três homicídios e por furto qualificado.

O outro condenado foi Francisco Mairlon Barros, apontado como comparsa, que pegou uma pena de 55 anos pelos mesmos crimes.

Além de Leonardo e Francisco, Paulo Cardoso Santana, sobrinho de Leonardo que está preso e a filha do casal Villela, Adriana Villela aguardam o julgamento.

José Guilherme Villela, ex-ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a mulher dele, Maria, e a empregada do casal, Francisca Nascimento da Silva, foram mortos com 73 facadas no apartamento da família, na quadra 113 no Sul, em agosto de 2009.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo