Livro a preço de ouro

Por fabiosaraiva

rose-guglielminettiQue o livro é caro no Brasil, nós leitores, sabemos. Mas a Prefeitura de Campinas estava comprando a peso de ouro livros infantis para as escolas municipais. Um pregão feito na gestão do ex-prefeito Pedro Serafim (PDT) iria pagar nada menos do que R$ 712,00 a unidade. O pacote custaria R$ 1,4 milhão para comprar 2.020 unidades. A prefeitura comprou, mas não pagou. Ontem, o Diário Oficial trouxe a revogação do pregão. A justificativa do governo Jonas Donizette (PSB) para anular a compra foi a de que os livros que estavam sendo adquiridos, pasmem, tinham publicações similares enviadas, a cada dois anos, pelo Ministério da Educação. Além disso, a Secretaria de Educação ganhou, na mesma época em que a compra foi aberta (fevereiro de 2012), 90.684 livros de literatura infantojuvenil para as escolas da rede. A empresa tem agora cinco dias para entrar com recurso.

A compra de material escolar na gestão de Serafim foi responsável pela queda de um secretário de Jonas: professor Cecílio (PMDB). Explico. O peemedebista foi secretário de Assistência Social de Jonas, mas também havia sido secretário de Educação de Serafim. E foi sob a batuta de Cecílio que foram comprados, sem licitação pública, kits escolares ao valor de R$ 10,9 milhões. O novo governo não tinha como utilizar o produto porque não achou destino pedagógico para os kits escolares. Na época, Serafim disse que comprou o material pedagógico para complementar o gasto obrigatório de 25% com Educação, para que, assim, suas contas financeiras não fossem rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado. Ontem, porém, ele não retornou as ligações para comentar sobre a nova compra.

Loading...
Revisa el siguiente artículo