Revista 'Science' aponta 3 ações para reabrir escolas com segurança

Editorial da revista indica três estratégias para a mitigação de risco de transmissão do coronavírus nas escolas

Por Verônica Fraidenraich – Canguru News

A revista científica Science publicou um editorial em que indica três ações essenciais que as escolas devem realizar para garantir a segurança na volta às aulas.

A publicação afirma que a operação de escolas durante a pandemia envolve o equilíbrio entre os riscos à saúde e as consequências da interrupção do aprendizado pessoal. Segundo a revista, o conhecimento científico da síndrome respiratória aguda grave do coronavírus 2 (SARS-CoV-2, a causa de COVID-19) deve informar como as escolas reabrem.

“Embora crianças em idade escolar e adolescentes (de 3 a 18 anos) possam desenvolver Covid-19, a maioria permanece assintomática ou apresenta doença leve. Esses jovens podem ser menos suscetíveis à infecção do que indivíduos mais velhos, mas provavelmente espalham a infecção em taxas semelhantes. As infecções por SARS-CoV-2 em crianças e adolescentes estão aumentando mais rapidamente do que em outras faixas etárias, uma vez que as restrições foram atenuadas. As infecções foram importadas para as escolas da comunidade”, destaca o editorial.

As orientações feitas, segundo a revista, com base no que se sabe até agora sobre a Covid-19 e nas experiências internacionais, são de autoria do pesquisador Ronan Lordan e pelos professores Garret A. FitzGerald e Tilo Grosser, todos do Instituto de Medicina Translacional e Terapêutica da Escola de Medicina Perelman, na Universidade da Pensilvânia (EUA). Confira as recomendações a seguir.

Leia também: Até 46% dos alunos podem ter infecção por covid após 2 meses de aula, calcula simulador

3 medidas essenciais na volta às aulas

1. Minimizar a importação de infecções para a escola. Essa é uma forma de conter a disseminação da Covid-19. O ideal seria restringir o aprendizado presencial para quando a infecção na comunidade local for controlada. Os países com testes generalizados começaram a abrir escolas com medidas de segurança rigorosas em vigor quando menos de 30 a 50 novas infecções foram observadas em 7 dias por 100.000 residentes durante um período prolongado. Os países que oferecem educação presencial com medidas básicas de mitigação (ou seja, distanciamento, máscaras faciais usadas nos corredores, mas não nas salas de aula, higiene das mãos, ventilação e ficar em casa com sintomas mínimos) normalmente têm quase zero de transmissão na comunidade.

Leia também: Em defesa da infância, devemos voltar para a escola, diz pediatra Talita Rizzini

2. Reduzir ao máximo a transmissão, caso ocorram casos de covid-19 na escola. A doença se espalha através de partículas líquidas contendo o vírus que são geradas pela respiração e por meio da fala, grito, canto, tosse e espirro. A rápida taxa de sedimentação de gotas grandes fundamenta as recomendações para distanciamento físico, desinfecção de superfície, ventilação e higiene das mãos. Como as partículas líquidas menores permanecem no ar, não é apenas a distância de outra pessoa que determina o risco de transmissãomas também a duração da exposição. Limitar a ocupação da sala, evitar atividades como cantar e melhorar a ventilação são essenciais no controle da transmissão. As máscaras reduzem a propagação por gotículas e aerossóis, limitando a liberação e a inalação. A propagação aerotransportada é muito menos provável ao ar livre, mas os esportes, nos quais a proximidade com a expiração excessiva é intrínseca ao jogo, devem ser evitados.

Leia também: Já senti de tudo: medo preocupação, tristeza, saudade, insegurança…, diz a educadora Bete P. Rodriguee sobre a pandemia

3. Grandes surtos na escola podem ser minimizados limitando a transmissão secundária ao menor número possível de pessoas. Organizar alunos, professores e funcionários em grupos menores, mantendo (esses grupos) isolados uns dos outros pode reduzir o contato pessoal e facilitar o rastreamento da doença se ocorrerem surtos. A detecção precoce de pessoas infectadas por meio da vigilância dos sintomas e testes diagnósticos pode limitar as medidas de quarentena aos grupos afetados, em vez de fechar toda uma classe ou mesmo a escola inteira.

Leia também: E se eu não mandar meu filho à escola? Especialistas respondem dúvidas sobre o assunto

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis! 

Loading...
Revisa el siguiente artículo