Como lidar com as birras: psicólogo dá dicas para que os pais consigam ajudar filhos nesses momentos

Rafael Guerrero afirma que as crianças podem tirar aprendizados de suas birras - se os pais souberem como lidar com a situação

Por Heloísa Scognamiglio - Canguru News

As birras são muito conhecidas dos pais: quando as crianças fazem birra, elas podem gritar, espernear e se debater, além de parecerem incapazes de ouvir qualquer coisa que os pais falem. Principalmente em público, a situação pode deixar os adultos desconfortáveis. Mas, segundo o psicólogo e doutor em Educação Rafael Guerrero, se os pais souberem como lidar com as birras das crianças, essas situações podem acabar se tornando fonte de muitos aprendizados. É o que ele defende em um artigo para o jornal El País

A birra é uma expressão da raiva da criança e é mais comum entre as idades de dois e cinco anos. É algo normal dessa fase do desenvolvimento infantil, destaca Guerrero. Algumas crianças fazem mais birras e outras fazem menos, mas todas passarão por isso. Para o psicólogo, a raiva é um dos sentimentos que mais fazem a criança sofrer. E também um dos que os pais menos sabem como gerir, porque os adultos acreditam que as próprias crianças podem se acalmar, lidar com sua raiva e com suas frustrações – o que não ocorre.

Leia também – Escolas privadas de 7 capitais planejam retorno em julho ou agosto 

Guerrero explica que as crianças não são capazes de ter esse controle que os adultos esperam porque, quando alguém sente raiva, suas amígdalas cerebrais, localizadas no sistema límbico, são ativadas. Esse sistema também é chamado de cérebro emocional e reage ao invés de responder – ou seja, a criança não consegue impedir que a emoção apareça e também não a controla. Por isso, o psicólogo orienta que é preciso ensinar os pequenos a diferenciar a emoção do comportamento associado à emoção. 

Sentir a raiva é algo legítimo, mas agredir alguém não é admissível. O controle do comportamento que se associa a emoção (fazer birra é um desses comportamentos) é o que precisa ser ensinado às crianças – elas sentirão raiva, mas devem saber como agir nessas situações. Veja abaixo as dicas de Guerrero aos pais sobre como lidar com as birras dos filhos. 

Leia também – Tudo porque fui gordinha na infância 

 

Enquanto a birra durar :

  • Permita e legitime a emoção de raiva; 
  • Lembre-se de que a criança não tem controle sobre sua emoção ou seu comportamento; 
  • Embora você queira que ela expresse raiva de outra maneira, é a melhor (e única?) maneira que ela tem de dizer que se sente com raiva; 
  • Se a criança quiser e permitir, abrace-a; 
  • Às vezes, a única coisa que é possível fazer é esperar; 
  • Certifique-se de que a criança não se machuque, nem machuque ninguém; 
  • Em resumo, acompanhe a criança. 

 

Após a birra :

  • Continue se mostrando carinhoso; 
  • Não leve para o lado pessoal; 
  • Rotule ou nomeie a emoção experimentada; 
  • Você pode apontar e criticar a criança por seu comportamento inadequado, mas nunca por sua emoção; 
  • Chegue a um acordo sobre o que pode ser feito se o mesmo ou algo semelhante acontecer novamente no futuro; 
  • Reforce que você já tem controle sobre seu comportamento, mas antes não tinha; 
  • Dê à criança uma narrativa apropriada que a empodere sobre o que aconteceu. 

 

Leia também – Mudando o olhar dentro de casa 

Uma vez que os pais sabem como lidar com as birras dos pequenos, eles podem ir aprendendo com elas: percebendo que nem tudo é possível nesta vida e que nem sempre é possível ter o que se quer, ajudando a aumentar a tolerância à frustração. Mas a chave é essa: que os pais saibam como lidar com as birras. “O positivo de tudo isso é que boa parte da resolução da birra depende de nós, adultos. Se os olharmos incondicionalmente e os acalmarmos, o retorno à normalidade será mais rápido”, escreve o psicólogo no artigo. 

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a newsletter da Canguru News. É grátis!

Loading...
Revisa el siguiente artículo