'Infodemia': junto ao coronavírus, vivemos uma pandemia de fake news, alerta UE

Por Metro Jornal com Ansa

O mundo enfrenta duas pandemias simultâneas em 2020: uma viral, e outra comunicacional. A afirmação é da vice-presidente da Comissão de Valores e Transparência da União Europeia, Vera Jurova, que refere-se ao que chama de "infodemia": uma pandemia de desinformação.

O termo infodemia, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), significa um "excesso de informações, algumas precisas e outras não, que tornam difícil encontrar fontes idôneas e orientações confiáveis quando se precisa".

A vice-presidente Jurova explica que essa "infodemia" se instala em "sociedades mais vulneráveis" à covid-19, pegando carona e impulsionando medos e ansiedades durante a pandemia.

Para a comissária, entre países do bloco europeu, a "Itália está entre os países mais atingidos" pelo problema, já que a nação tornou-se a mais afetada da União Europeia na crise sanitária.

Jurova chegou a apontar culpados para tal fenômeno, colocando a China e a Rússia como principais fontes de desinformação (sem, entretanto, divulgar as provas que afirmou ter).

"Para combater isso, nós precisamos mobilizar todos os principais personagens: checadores de fatos, pesquisadores de plataformas online e autoridades", propôs.

A comissária ainda fez um apelo para que as plataformas onlines "sejam transparentes" com seus financiamentos, e anunciou que a Comissão está fazendo um estudo "para entender melhor o fluxo das verbas publicitárias ligadas à desinformação".

Loading...
Revisa el siguiente artículo