Design de interiores: as chaves para uma remodelação bem sucedida

Por Publimetro

Derrubar uma parede, expandir janelas, mudar o piso, melhorar o teto. O que você precisa para melhorar urgentemente sua casa é algo pessoal e as opções infinitas podem ser adaptadas ao bolso, estilo e tempo para investir.

Claro, existem tendências por vir e dicas infalíveis. Como comenta o designer Cristóbal Quintana , “design de interiores ou design de quartos é um reflexo de nossa alma, de quem somos. Ter um espaço confortável, agradável aos olhos, que renove sua energia, é super importante para a qualidade de vida”.

E não falamos apenas sobre onde moramos “um restaurante com boa iluminação, decoração, que mostra que há dedicação e detalhes, gera um ambiente onde você deseja voltar. O mesmo com os escritórios. Se você aplicar regras ergonômicas, com um projeto bem executado por trás, você deixa os trabalhadores mais confortáveis ​​e com melhor produtividade”.

MÃOS À OBRA

A tendência que vem ocorrendo no design de interiores é a personalização e a sustentabilidade. O espaço não deve ter um grande impacto para o planeta e deve ser funcional mesmo quando pequeno.

“Há dez anos, a novidade era demarcar as instalações com diferentes materiais: diferentes pavimentos no terraço, no hall de entrada, na sala de estar, nos quartos e banheiros; Existem 5 ou 7 materiais diferentes em um único projeto. Agora a tendência é o oposto, de unificar os locais. Isso nos permitirá dar uma maior sensação de espaço, além de facilitar a manutenção ", diz Diego Croquevielle, gerente da agência imobiliária Altas Cumbres.

.

Para alcançar esse sentimento, a ideia é impedir que os materiais ou acabamentos "cortem" o visual. Do setor imobiliário de Urbes, eles apontam para eficiência. “O design deve impulsionar e aproveitar a luz que entra pelas janelas. A luz é um recurso que deve ser promovido por meio da seleção de materiais, para resgatar e agregar valor à luz natural”.

"Outra grande tendência é aproximar os espaços da natureza, usando cores e texturas que evocam a natureza e proporcionam uma sensação de relaxamento, uma espécie de amortecedor. A iluminação é fundamental, especialmente nos terraços,”, afirma Loreto Malig de Urbes.

O designer aponta para o minimalismo. “Estamos procurando espaços livres, sem tanta informação. Que os móveis sejam cada vez mais retos e sem tanta decoração. É sempre bom ter um elemento distinto de design, uma luminária, uma cadeira, uma pintura, que dê ao espaço seu significado histórico ”.

.

Ele garante que na Europa já opta pelo design ecológico, muito eclético, baseado no reaproveitamento e reparo de móveis.

"Elementos de decoração que geram espaços sem estilo definido, pós-modernos, onde uma cadeira do século XV pode ser combinada com uma pintura de Mondrian. Um estilo sem regras, o que significa que você pode personalizar ainda mais o seu espaço. Você pode misturar objetos clássicos e modernos. A idéia é não ter caos, mas você precisa saber como escolher e se destacar”.

E o mais arriscado?

“O estilo industrial também está muito na moda nos departamentos e estúdios juvenis, os chamados departamentos para solteiros, onde é mostrado um espaço mais áspero, com concreto e tubos expostos, materiais como: concreto, tijolo, madeira e metal, dominam essa linha ", acrescenta.

.

Quanto às cores, Quintana nos diz para confiar na roda de cores que nos ajuda a combinar entre elas: complementares, suplementares, analógicas, compostas, monocromáticas.

A idéia é criar uma harmonia de acordo com o que estamos procurando. O mesmo acontece com os materiais  utilizados, sempre tentando ser o mais nobre possível:  que o espaço receba mais valor e com mais vida útil para obter designs que durem ao longo do tempo e que não tenham problemas no futuro.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo