O ensino remoto e a saúde mental das crianças

As soluções apresentadas para dar continuidade às aulas escolares em casa mostram um ensino improvisado e colocam em risco a saúde mental e emocional dos alunos

Por Canguru News

Em muitas escolas particulares as crianças estão submetidas, por causa da quarentena, a uma rotina de uso de computador desaconselhada por pediatras, psicólogos e educadores. "Cinco horas em frente às telas combina isolamento social com exposição à tela, dois fatores que comprovadamente estão relacionados à depressão e outros distúrbios de aprendizagem", afirma a educadora Luciana E. Correa, especialista em educação tecnológica, que voltou há pouco de um doutorado sanduíche na Universidade de Pittsburgh (EUA).

De um lado, as escolas se viram obrigadas a se adaptar, às pressas, ao novo cenário imposto pela pandemia do novo coronavírus, e buscam no envio de atividades online justificar a manutenção das mensalidades. Do outro lado, estão os pais que precisam trabalhar de casa e veem nas aulas a distância uma forma de ocupar os filhos e fazer com que sigam estudando. Entre esses dois lados, estão os alunos – o elo mais frágil dessa cadeia – emudecidos frente ao caos, segundo Luciana.

"Pode ser que até agora algumas escolas estejam conseguindo satisfazer pais e entreter os alunos. Mas mesmo no melhor dos cenários, tão propagados pelos entusiastas dessa pandemia colateral de improvisação do ensino, não se pode medir qual será o preço social, emocional e mental que as crianças irão pagar", alerta a educadora. Pelo menos, diz ela, não ficou claro nos artigos que tem lido nos últimos dias se o problema está na luz pulsada dos dispositivos computacionais, no conteúdo ou no tipo de interação social das mídias.

Leia também: Quarentena também é sinônimo de (muitos) aprendizados para as crianças

Apesar das causas não estarem suficientemente claras, Luciana explica que o que se sabe é que existe uma relação quantitativa entre superexposição à tecnologia digital e danos na saúde mental, física e emocional de crianças e adolescentes.

"Ou seja, estamos dando um tiro no escuro em nome de um processo de aprendizagem que pode ser retomado com segurança no ano que vem, sem prejuízo irreversível para nenhuma criança", destaca a educadora.

Alunos em ensino remoto:que preço pagarão por isso?

Ela ressalta que as crianças em desenvolvimento não tem recursos cognitivos, sociais e linguísticos para expressar sua dor. Elas aceitam porque não têm escolha, mas cabe aos adultos procurar a melhor forma de ajudá-las – ou, alguns alunos poderão pagar o preço dessa improvisação do ensino pelo resto de suas vidas. "Se a questão é a sobrevivência financeira das escolas não seria melhor chamar pais e instituições de ensino para uma conversa sobre responsabilidade social?", questiona.

Leia também: Será que o prejuízo acadêmico das crianças deve nos preocupar agora?

Para ela, essa questão vai muito além do cumprimento de um contrato de prestação de serviços ou preparação para um futuro digital. "Estamos falando da saúde, do futuro e da aprendizagem de nossos filhos", declara.  Ela faz questão de reconhecer o esforço das escolas em manter o processo educativo, e dos pais, em especial das mães, para manter suas rotinas de trabalho. "Mas a ciência não foi feita para agradar. Ela traz dados, realidades e fatos que muitas vezes são duros e impõe decisões difíceis", afirma.

Saber responder a desafios e situações inusitadas é importante, mas não ao ponto de se desconsiderar os estudos e as estatísticas existentes, que podem colocar em risco seres humanos em fase de crescimento. "Seria realmente tão terrível uma criança terminar o ensino médio aos 18 e não aos 17?", indaga Luciana.

"Não podemos simplesmente jogar esse fardo nas costas frágeis de nossas crianças. Precisamos refletir com calma e responsabilidade sobre essas questões, sem pressionar as instituições de ensino para que nos deem soluções prontas e absolutas. A certezas acabaram. Precisamos aceitar isso e gerenciar riscos de forma racional", finaliza.

Leia também: Pais cansados e sobrecarregados na quarentena – o que fazer?

Artigo usado como apoio para o texto:
Efeitos do tempo de tela na saúde e bem-estar de crianças e adolescentes: uma revisão sistemática de revisões (em inglês)

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a newsletter da Canguru News. É grátis!

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo