Campanha de vacinação: 9 de maio é dia de imunizar bebês e crianças

Grávidas e mães de recém-nascidos também devem ser imunizadas; não atualizar o calendário de vacinação pode prejudicar a saúde de todos, diz a SBP

Por Ivana Moreira

Em quarentena há mais de um mês, o mundo segue esperando o dia em que a ciência anunciará o sucesso no desenvolvimento da vacina contra o novo coronavírus. No entanto, isso não é motivo para descuidar do calendário de vacinação de 2020.

Neste sábado, 9 de maio, começa a etapa da campanha de vacinação para a influenza (gripe) que contempla crianças de 6 meses até 6 anos incompletos. Pessoas com mais de 55 anos, gestantes, mães no pós-parto e pessoas com deficiência também fazem parte do grupo que deve se vacinar nesta etapa da campanha que vai até o dia 22 de maio.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), atualmente, previne-se cerca de dois a três milhões de mortes por ano através da imunização. Outras 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas se a cobertura global de vacinação tivesse maior alcance. A Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) afirma que “poucas intervenções em saúde pública tiveram tanto impacto na humanidade como as vacinas.”

O Programa Nacional de Imunizações brasileiro é fornecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a toda a população. E a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) é categórica em afirmar que “o não comparecimento de crianças às unidades de saúde para atualização do calendário de vacinação pode impactar nas coberturas e colocar em risco a saúde de todos, especialmente frente à situação epidemiológica do sarampo, febre amarela e coqueluche que vivenciamos atualmente.”

Leia também: Vacinação contra gripe é antecipada, mas bebês, mães e gestantes serão vacinados somente em maio

Para a pediatra Talita Rizzini, coordenadora da Pediatria do Hospital Leforte, de São Paulo, o combate a uma enfermidade não justifica que outras doenças que podem ser prevenidas por vacina voltem a causar epidemias e mortalidade. "Não se deve dar ouvidos a boatos ou fake news disseminadas por grupos antivacinas. Vacinas são seguras e seguem um longo caminho de testes até serem recomendadas em larga escala", afirma a pediatra.

A mensagem é clara: toda a população deve manter a carteirinha de vacinação em dia. E isso vale não somente para as crianças. A ida à Unidade Básica de Saúde ou à clínica de imunização é também uma excelente oportunidade de atualizar o calendário de vacinação 2020 dos adultos e idosos.

No contexto da pandemia, a SBP sugere procurar a unidade de saúde mais próxima das residências, em horários menos concorridos, e manter maior distanciamento dos idosos e outras pessoas do grupo de risco para maior gravidade da Covid-19. Lembrando que qualquer pessoa com sintomas respiratórios deve permanecer em casa, mas passados 14 dias de isolamento e com o fim dos sintomas, a vacinação necessária pode ser aplicada.

Leia também: Pesquisa associa vacina BCG, dada em recém-nascidos, a menos mortes por coronavírus

Os idosos já deram o exemplo e aqui no estado de São Paulo a meta para vacinação desse grupo de risco foi alcançada. Agora será a vez das crianças ficarem protegidas. "Enquanto a vacina do coronavírus não estiver disponível, continuaremos nos cuidando e cuidando de quem amamos. Quem ama cuida e, como diz o lema da campanha da SPSP "eu cuido, eu confio, eu vacino", destaca Talita.

Mais informações sobre a campanha de vacinação 2020 aqui.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo