Não abaixe a cabeça para o celular! Saúde fica em risco por conta do uso exagerado do aparelho

Por Danielli Saquetto / Metro Espírito Santo

Antes de começar a ler esta reportagem, quanto tempo hoje você já passou conectado ao celular?

É difícil imaginar a vida sem smartphones. Os aparelhos eletrônicos são úteis no trabalho, facilitam a comunicação e ainda oferecem infinitas opções de lazer. Apesar dos benefícios, o exagero no uso pode ser prejudicial para a saúde. Ainda mais para os brasileiros, que ficam conectados, em média, 9 horas e 29  minutos todos os dias, segundo o relatório “2018 Global Digital”, divulgado pela agência We Are Social, em parceria com a HootSuite. O tempo é 3 horas acima da média global.

Leia mais:
Receita libera consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda
Bovespa interrompe negócios após queda de 10% e pânico nos mercados

Ficar de cabeça baixa, com o polegar trabalhando para digitar, tem um preço dolorido: várias doenças vêm sendo  agravadas ou causadas pelo uso excessivo do aparelho.

“Quando ficamos muito tempo usando o celular, automaticamente projetamos a cabeça para frente e a dobramos. Como o peso dela sai do centro de gravidade do corpo, a pessoa acaba tento uma sobrecarga, principalmente na região da cervical”, afirma o ortopedista Bernardo Terra. O médico explica, ainda, que o peso pode passar de 5 quilos para 27 quilos, dependendo da angulação da cabeça.

Os olhos também são constantemente levados à exaustão e, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o uso prolongado de celulares pode levar ao agravamento da miopia.

Até mesmo algumas infecções podem estar ligadas diretamente ao uso constante dos aparelhos. Principalmente quando eles são levados a locais como os banheiros.  Isso pode acarretar doenças virais, bacterianas e até infecções fúngicas. Confira outros problemas de saúde causados  ou agravados pelo uso excessivo do celular.

Problemas que podem estar relacionados ao uso do celular 

Tendinite Postural

A pessoa pode perceber uma dor de cabeça no fim do dia, mais acentuada na região da nuca

Miopia

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alerta que o uso prolongado de celulares pode levar ao agravamento da miopia

Cuidado com as crianças

Crianças abaixo de 18 meses não devem ser expostas a essa irradiação. Dos 2 aos 5 anos, o ideal é que o tempo de uso seja de 1 hora por dia. O médico alerta que o estímulo da luz ainda pode causar a redução da qualidade do sono

Síndrome do túnel cubital

O uso dos celulares com o cotovelo apoiado ou flexionado por longos períodos pode irritar o nervo ulnar em uma região do cotovelo chamada de túnel cubital. Geralmente, os sintomas se manifestam com dormência nos dedos mínimo e anelar, perda de força nos mesmos e, em casos mais graves, pode gerar dor

Artrite do polegar

Não é comprovado que o uso de celular pode causar artrite, mas especialistas dizem que pode piorar os sintomas de quem já apresenta, principalmente a digitação de mensagens com o polegar. Os sintomas são dor e rigidez na base deste dedo

Dedo em gatilho

É quando o polegar fica travado ou faz um estalido. O mal é causado pelo espaçamento da polia, que circunda o tendão, não deixando o mesmo deslizar livremente. O uso contínuo para mensagens ou para segurar o celular em uma mesma posição pode causar o problema

Infecções

Evite levar o celular para o banheiro. A descarga do vaso sanitário é um verdadeiro spray de bactérias. O fato de encostar o aparelho na boca e nas orelhas, pode transmitir doenças. As bactérias se aglomeram na superfície e podem sobreviver no local por várias horas. Higienizar o aparelho pelo menos uma vez ao dia com álcool isopropílico e também higienizar sempre as mãos pode ajudar a evitar a contaminação

Peso da cabeça aumenta com pescoço flexionado

Ao manter o pescoço flexionado para baixo, o peso da cabeça passa de cerca de 5kg para 27kg. Isso pode causar estiramento muscular, contratura muscular e alterações
nos discos. Veja na figura abaixo:

postura errada ao ver o celular Reprodução/Metro

A postura certa para usar o aparelho

  • A 40 cm do rosto
  • Com o tronco ereto ou apoiado em algum encosto, ombro em posição neutra e relaxada
  • Os cotovelos devem estar em semiflexão para elevar o aparelho até a altura do campo visual
  • Alongamentos e pausas a cada 20 ou 30 minutos de uso
Loading...
Revisa el siguiente artículo