Observatório da NASA revela passado misterioso da gigantesca nebulosa dos cisnes

Por Wellington Botelho

Uma das regiões mais brilhantes e massivas de formação de estrelas em nossa galáxia, a Omega ou a Nebulosa do Cisne, veio a se parecer com a forma que lembra o pescoço de um cisne apenas recentemente. E novas observações revelam que suas regiões se formaram separadamente em várias épocas. A imagem do Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (SOFIA) da NASA está ajudando os cientistas a narrarem a história e a evolução desta nebulosa bem pesquisada.

Descobrir os segredos da nebulosa não é tarefa simples. Ele está localizado a mais de 5.000 anos-luz de distância na constelação de Sagitário. Seu centro está cheio de mais de 100 das estrelas jovens mais massivas da galáxia. Elas podem ter muitas vezes o tamanho do nosso Sol, mas as gerações mais jovens estão se formando profundamente em casulos de poeira e gás, onde são muito difíceis de ver, mesmo com telescópios espaciais.

Como a região central brilha intensamente, os detectores nos telescópios espaciais estavam saturados nos comprimentos de onda estudados pela SOFIA, semelhante a uma foto superexposta. A câmera infravermelha, no entanto, pode perfurar esses casulos.

A nova visão revela nove protoestrelas, áreas onde as nuvens da nebulosa estão colapsando e criando o primeiro passo no nascimento de estrelas, que nunca havia sido visto antes. Além disso, a equipe calculou as idades das diferentes regiões da nebulosa. Eles descobriram que partes da forma semelhante a um cisne não foram criadas ao mesmo tempo, mas tomaram forma em várias épocas de formação de estrelas.

NASA NASA

A região central é a mais antiga, evoluída e provavelmente formada primeiro. Em seguida, a área norte se formou, enquanto a região sul é a mais jovem. Embora a área norte seja mais antiga que a região sul, a radiação e os ventos estelares das gerações anteriorea perturbaram o material ali – impedindo que ele colapsasse para formar a próxima geração.

Estrelas massivas, como as da nebulosa dos cisnes, liberam tanta energia que podem mudar a evolução de galáxias inteiras. Mas menos de um por cento de todas as estrelas são enormes, então os astrônomos sabem muito pouco sobre elas.

A imagem da SOFIA mostra gás em azul enquanto é aquecido por estrelas enormes localizadas perto do centro e poeira em verde que é aquecida tanto por estrelas massivas existentes quanto por estrelas recém-nascidas próximas.

Os protoestrelas recém-detectados estão localizados principalmente nas áreas do sul. As áreas vermelhas próximas à borda representam poeira fria que foi detectada pelo Telescópio Espacial Herschel, enquanto o campo de estrelas brancas foi detectado pelo Telescópio Espacial Spitzer.

Com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo