A Fake News da Arca de Noé: um estudioso pode ter encontrado o primeiro registro da prática que se tem conhecimento

Por Rodrigo Almeida

A estória da Arca de Noé não é uma particular do cristianismo. Em tempos babilônicos, um conto similar foi deixado em tábuas de pedra narrando os feito de Uta–napishti, o Noé deles.

Segundo o acadêmico da Universidade de Cambridge, Martin Worthington estes contos foram estimulados por Fake News, as primeiras que se tem conhecimento na história da humanidade.

O que foi prometido ao Noé deles?

Na escritura, o deus babilônio Ea aparece para Noé dizendo que uma chuva de comida descerá dos céus para as pessoas que o ajudarem a construir uma arca.

O especialista na escrita cuneiforme, diz que há um duplo sentido em uma das palavras, a qual é interpretada como “comida” também poderia ser considerada “enchente”.

A frase em questão é lida como “no escurecer haverá bolos” ou pode ser entendida também como “no escurecer ele vai chover sobre você em obscuridade”, na linha seguinte há a promessa de abundância.

Em entrevista ao sítio Telegraph, Dr. Worthington diz que o deus Ea engana a humanidade espalhando a falsa notícia. “Ele diz ao Noé babilônio para prometer a seu povo abundância de comida em troca do serviço de construir a arca”.

De acordo com a estória, o pova ajuda. Noé e a família fogem com diversos animais, e todo o resto afoga. Um conto um pouco mais sombrio, mas quase idêntico ao que está no livro de Gênesis.

Como isso tudo poderia ser Fake News?

Acontece que quem escreveu a placa não foi o deus Ea e sim um sacerdote. Na época os babilônios acreditavam que os deuses precisavam ser alimentados com vidas humanas. Ou seja, não passaria de um conto estimulado pelo interesse de poucos.

A placa com a história de Uta–napishti está no Museu Britânico e foi encontrada em 1872 por um assiriologista. A Babilônia era a região centro sul da Mesopotâmia, que hoje em dia conhecemos como o Iraque.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo