Tattoo Week 2019: Artistas convidados comentam panorama atual das tatuagens

Por Alexandre Dias- Especial para o Metro Jornal

O mundo das tatuagens passou por grandes mudanças de alguns anos para os dias de hoje. A diminuição do preconceito, a melhora dos materiais e as redes sociais difundiram a profissão, os serviços e a criação de estilos, o que têm gerado uma reflexão para os artistas.

Leia mais:
Nova Graphic MSP, ‘Tina – Respeito’ discute o assédio sofrido pelas mulheres
Vencedora do Eisner, ‘Aquele Verão’ ganha nova edição pela Mino

Os vários tatuadores que vieram à nona edição da Tattoo Week, evento recebido pelo São Paulo Expo no último fim de semana, conversaram com o Metro Jornal sobre o panorama atual desta função e dos seus produtos artísticos.

Milhares de estilos

Realismo, tribal, aquarela, old-school, maori, pontilhismo e assim vai. Desde que o público da tatuagem começou a se formar, mais artes foram criadas. Segundo o tatuador chileno e especialista no realismo em preto e branco Stefano Alcantara, a sua profissão vive uma espécie de "Renascimento" atualmente.

stefano alcantara tatuando maluma O chileno Stefano Alcantara tatuando o cantor Maluma / Reprodução/Instagram

O russo Goshan Moscowsky, que domina o realismo colorido, complementa essa visão ao afirmar que "o limite foi atingido". Ele explica: "Não há como inventar algo novo, pois todas as técnicas já foram provados. A única coisa que pode ser interessante é fazer um desenho incrível".

Tatuadores

A demanda gigantesca é boa para os profissionais do ramo, mas como em qualquer outra área pode gerar problemas, especialmente relacionados à saúde. O paulista de São Bernardo do Campo Naldo Contreras ressalta a importância de valorizar o próprio trabalho para que isso recaia sobre o cliente. "O tatuador precisa ter o seu preço, porque vai pagar estudo e material de qualidade", diz.

tatuador naldo contreras no tattoo week 2018 Tatuador brasileiro Naldo Contreras na oitava edição da Tattoo Week / Reprodução/Instagram

Também da região do ABC, Lincoln Vianna retoma o crescimento da tatuagem como obra, o que deve ser tratada como tal. "Era uma profissão que não era profissão até pouco tempo atrás. Hoje virou uma tendência. O tatuador necessita ter conhecimento de arte. Muitos pesquisam na internet o que fazer, mas ela não ensina a ter postura e ética. O respeito é o principal", afirma.

Tatuados

Um dos temas da Tattoo Week em 2019 foi a consciência ao se tatuar. Da mesma maneira que os artistas devem valorizar os clientes em meio a um clima de competição exacerbada, a informação é o que garante a esses últimos um novo visual seguro.

"Pesquise, se informe. Eu tatuo com amigos meus em outros países, porque considero que a arte deles é única e quero o melhor no meu corpo"diz Stefano Alcantara. "Não me preocupa muito por algo do momento e barato, que eu vá me arrepender. Temos que buscar algo de melhor qualidade porque só temos um corpo, não é uma roupa", completa.

O peruano Camilo Tuero foi outro que abordou a saúde, porém no quesito pós-tatuagem e remoção. "Mesmo que haja métodos para tirar, são caros e não muito acessíveis. Eu recomendo que as pessoas pesquisem sobre os estilos, o portfólio dos artistas, se os estúdios seguem as normas de segurança, etc. Depois de tatuado, também não se pode esquecer dos cuidados", aconselha.

camilo tuero no tattoo week 2019 Camilo Tuero sendo premiado em uma das competições do evento / Manuella Tavares/Divulgção

Veja alguns momentos do Tattoo Week 2019:

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo