Cientistas da NASA revelam impressionantes descobertas sobre gigantesco planeta rochoso

Por Wellington Botelho

Um novo estudo utilizando dados do Telescópio Espacial Spitzer da NASA fornece informações impressionantes da superfície de um planeta rochoso orbitando uma estrela além do Sol.

O trabalho, publicado na revista Nature, mostra que o gigantesco LHS 3844b pode se assemelhar com a superfície da Lua ou do planeta Mercúrio.

Descoberto em 2018 pela missão TESS, o planeta está localizado a 48,6 anos-luz da Terra e tem um raio de 1,3 vezes o do nosso planeta. Segundo a NASA, ele orbita um tipo pequeno e frio de estrela chamado anão M.

NASA - Planeta rochoso Transiting Exoplanet Survey Satellite - TESS / NASA

O TESS encontrou o planeta através do método de trânsito , que envolve a detecção de quando a luz observada de uma estrela-mãe escurece por causa de um planeta orbitando entre a estrela e a Terra.

A observação marca a primeira vez que os dados do Spitzer foram capazes de fornecer informações sobre a atmosfera de um mundo terrestre em torno de um anão M.

Ao medir a diferença de temperatura entre os lados quente e frio do planeta, a equipe descobriu que há uma quantidade insignificante de calor sendo transferida entre os dois. Se houvesse uma atmosfera presente, o ar quente no dia-a-dia se expandiria naturalmente, gerando ventos que transfeririam calor ao redor do planeta. Em um mundo rochoso com pouca ou nenhuma atmosfera, não existe ar presente para transferir calor.

Entender os fatores que poderiam preservar ou destruir atmosferas planetárias é parte de como os cientistas planejam procurar ambientes habitáveis além do nosso sistema solar.

Em comparação com as estrelas parecidas com o Sol, os anões M emitem altos níveis de luz ultravioleta, o que é prejudicial à vida e pode erodir a atmosfera de um planeta. Eles são particularmente violentos em sua juventude, arrotando um grande número de explosões que poderiam arrancar as atmosferas planetárias em desenvolvimento.

As observações do Spitzer descartam uma atmosfera com mais de dez vezes a pressão da Terra.  Os estudiosos também argumentam que, com o planeta tão perto de uma estrela, uma fina atmosfera seria arrancada pela intensa radiação e pelo fluxo de saída da estrela.

Spitzer e o Telescópio Espacial Hubble da NASA já reuniram informações sobre as atmosferas de múltiplos gasosos , mas o LHS 3844b parece ser o menor planeta para o qual os cientistas usaram a luz vinda de sua superfície para aprender sobre sua atmosfera.

Os autores do novo estudo deram um passo adiante, usando informações da superfície do LHS 3844b. O estudo também mostra que o planeta é "bastante escuro”, os cientistas acreditam ainda que o planeta está coberto de basalto, uma espécie de rocha vulcânica.

Com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo