Estudo científico adverte mulheres grávidas do perigo de consumir suplementos naturais

Por Rodrigo Almeida

Uma revisão de mais de 74 trabalhos científicos ligou o alerta sobre o consumo de suplementos naturais durante a gravidez.

A revisão foi publicada na edição de maio deste ano da revista científica “Obstetrics & Gynecology”, e analisou estudos em torno de 47 suplementos diferentes.

Segundo o Dr. James McLay, do Hospital Real de Aberdeen, na Escócia, uma pequena quantidade de produtos naturais teve relação com parto prematuro e necessidade de cesariana.

saude Reprodução/ Pixabay

Em entrevista para o portal estrangeiro Web MD, o doutor explica que se sabe muito pouco ainda sobre a efetividade e segurança de determinados suplementos.

Uma pesquisa italiana indicou que o uso de óleo de amêndoa durante a gravidez dobra as chances de a mulher dar à luz prematuramente.

mamae gravidez Reprodução/ Pixabay

Outro suplemento que é divulgado como indutor do parto é a folha de amora. Segundo os resultados da pesquisa, mulheres que consumiram o chá, tiveram 3,5 vezes mais chances dar à luz por meio de cirurgia. O que pode indicar que ele, na verdade, é um complicador de parto.

“A conclusão principal que podemos tirar deste estudo é que não se pode presumir que o selo ‘natural’ quer dizer melhor. Sempre consulte o especialista acerca dos métodos mais adequados para o período de gestação”, aconselha MacLay.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo