23 milhões de contas vazadas usavam 123456 como senha

Por Wellington Botelho

Um estudo realizado pelo Centro Nacional de Cibersegurança do Reino Unido (NCSC) revelou que a senha 123456 apareceu em mais de 23 milhões de contas vazadas (em diferentes plataformas).

O Centro Nacional analisou bancos de dados públicos de contas vazadas para estudar as palavras, frases ou sequências de caracteres que os usuários em todo o mundo mais usam ao criar suas senhas.

Um dos principais dados que a análise mostrou é que 23,2 milhões de contas vazadas usaram 123456 como uma senha. No final de 2018, a ESET também publicou a lista das senhas mais populares do ano passado e 123456 e 123456789 estavam entre as três primeiras combinações mais usadas.

celular - WhatsApp - senha Foto: Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil

"Esses tipos de relatórios refletem a falta de conhecimento dos riscos associados ao uso de senhas fracas e as consequências que isso pode ter para a privacidade e o cuidado das informações pessoais ", diz Camilo Gutierrez, chefe do Laboratório de Pesquisa da ESET América Latina.

"Falar de uma senha forte refere-se àquelas que têm uma extensão considerável e possuem símbolos, letras maiúsculas, minúsculas e pares", finalizou.

Pesquisa recente

Uma pesquisa recente da ESET mostrou que 30% dos usuários usam duas ou três senhas para todas as suas contas. Por conta disso, a empresa de segurança alerta que o uso de senhas fortes é o primeiro passo para uma experiência mais segura e responsável da tecnologia, especialmente considerando que, de acordo com o relatório da NCSC, 89% dos entrevistados fazem compras na Internet e 39% o fazem semanalmente. Confira algumas dicas de segurança:

  • Para maior segurança, use duplo fator de autenticação;
  • Utilize frases mais longas e números;
  • Não reutilize senhas antigas;
  • Tenha uma senha diferente para cada conta;
  • Mude suas senhas periodicamente;
  • Utilize um administrador de senhas confiável.

Com informações da ESET

LEIA TAMBÉM:


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo