Cinco hábitos saudáveis que valem uma década, segundo pesquisadores de Harvard

Por Metro Internacional

Qual é o segredo para viver uma vida longa e saudável? Não existem poções mágicas para isso. E, claro, ninguém duvida que manter uma rotina de hábitos saudáveis só fará bem. Mas, de acordo com um estudo da Escola de Saúde Pública de Harvard, já é possível medir em anos esses benefícios.

Segundo pesquisa divulgada recentemente, cinco hábitos podem acrescentar, em média, uma década a mais em sua vida.

“Manter hábitos saudáveis para viver melhor é uma dica que provavelmente todos já ouviram antes, não tem segredo, e além disso é algo realmente bem simples”, afirma um dos autores do estudo, Yanping Li.

E continua: “A parte mais difícil é colocar isso em prática de maneira efetiva, fazendo tudo o que for possível para manter esse comportamento saudável pelo maior tempo que puder”.

Segundo pesquisa divulgada recentemente, cinco hábitos podem acrescentar, em média, uma década a mais em sua vida. São eles:

  • Adotar uma dieta equilibrada e saudável;
  • Se exercitar regularmente;
  • Controlar o peso corporal;
  • Não abusar do álcool;
  • Não fumar.

Décadas em análise

Para o estudo, os pesquisadores de Harvard analisaram 34 anos de dados de mais de 78,8 mil mulheres que participaram do Nurses Health Study e 27 anos de dados de mais de 44,3 mil homens que participaram de um estudo de acompanhamento de profissionais de saúde.

Mulheres que mantiveram hábitos saudáveis ganharam mais 14 anos de vida, e homens, 12, em comparação com pessoas com outros estilos no dia a dia, segundo estudo que analisou décadas de medições de dados, da Escola de Saúde Pública de Harvard. Um dos principais inimigos da boa saúde, certamente é o tabagismo. O número de mortes provocadas pelo consumo de cigarro aumentou de 4 milhões, no início do século, para mais de 7 milhões, alertou recentemente a OMS (Organização Mundial de Saúde).

Os pesquisadores observaram a associação desses cinco hábitos de vida com o risco de mortalidade, baseada em anos de repetidas medições realizadas nos estudos que estão em andamento há décadas.

Esses hábitos específicos incluíam não fumar, baixo índice de massa corporal, pelo menos 30 minutos ou mais por dia de atividade física leve ou intensa, consumo moderado de álcool (por exemplo, uma taça de vinho por dia para as mulheres, ou duas para os homens) e uma dieta saudável.

Quando todas essas mudanças no estilo de vida foram seguidas, os pesquisadores calcularam que as mulheres ganhavam em média 14 anos de vida e os homens 12 anos, em comparação com aqueles que não mantinham esses hábitos saudáveis.

Como esses hábitos não são sugestões incomuns no dia a dia das pessoas, Yanping Li afirma que a ideia da pesquisa é mostrar, em termos de quantidade de vida, o quanto eles são importantes.

“Por exemplo, muitos fumantes sabem que fumar é péssimo para a sua saúde, que podem ter aumentado o risco de câncer de pulmão, mas o que não sabem ou nem querem saber é quanto, porque simplesmente essa possibilidade parece estar muito longe de suas vidas”, afirma o pesquisador.

“Mas se eles levarem em conta que vão viver cerca de 10 anos menos do que seus irmãos ou amigos não-fumantes, eles talvez reflitam sobre isso (parem de fumar) ou pelo menos reduzam o consumo diário de cigarros”.

“É por isso que realizamos esse estudo”, continuou ele.

“Fizemos todo o possível para mostrar a mensagem científica em uma linguagem simples, direta sem hermetismos para garantir que todos possam captar a mensagem essencial: mesmo com mudanças modestas, um estilo de vida saudável, vai garantir a você um retorno significativo em expectativa de vida prolongada”, conclui o pesquisador

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo