Facebook permitiu que grandes empresas acessassem suas mensagens privadas

Por Wellington Botelho

A rede social Facebook permitia que grandes empresas lessem suas mensagens privadas, de acordo com o jornal New York Times.

A empresa concordou em compartilhar os dados e informações pessoais de seus mais de 2,2 milhões de usuários com mais de 150 empresas, segundo documentos internos da empresa de Mark Zuckerberg aos quais a mídia teve acesso.

O Facebook permitiu que Netflix, Spotify e Royal Bank of Canada "lessem, escrevessem e apagassem mensagens privadas de usuários e vissem todos os participantes de um tópico".

Facebook Pixabay

O Bing, o mecanismo de busca da Microsoft, foi autorizado a "ver os nomes de praticamente todos os amigos dos usuários" da rede social sem consentimento. A Amazon obteve nomes de usuários e informações de contato e o Yahoo publicações de amigos.

De acordo com a mídia americana, além desses gigantes, a rede social beneficiou empresas de tecnologia, incluindo varejistas on-line e sites de entretenimento, fabricantes de automóveis e organizações de mídia.

Essas ofertas de informações, que datam de 2010, estavam ativas até 2017 e algumas delas continuaram válidas este ano, como as negociações com a Apple e a Amazon.

Do Facebook, diretor de privacidade e política pública, Steve Satterfield, disse ao New York Times que nenhuma das negociações violou  a privacidade dos usuários.

Facebook Reprodução

A empresa de Zuckerberg respondeu por meio de uma mensagem colocada em seu blog, reconhecendo que tinha associações com essas empresas, mas que a prática havia parado nos últimos meses. Assegurou que nenhum dos acordos concedia às empresas acesso aos dados de um usuário sem a permissão explícita.

A rede social está em uma crise que não conseguiu sair após os escândalos da Cambridge Analytica, a intervenção russa e notícias falsas.

As empresas respondem

Da Netflix e Spotify, eles disseram à imprensa que não estavam cientes das atribuições que a empresa de Mark Zuckerberg ofereceu.

Facebook Justin Sullivan/Getty Images

A Amazon explicou à CNN que usa interfaces "fornecidas pelo Facebook para permitir experiências da rede social para nossos produtos", como a sincronização de contatos, mas que eles trabalham as informações sob sua própria política de privacidade.

A Apple explicou ao New York Times que ele não estava ciente do acesso que a rede social tinha fornecido e que os dados compartilhados permanecem nos dispositivos.

A Microsoft disse que seu contrato com o Facebook terminou em 2016 e que a partir de então os dados nos resultados da pesquisa pararam de aparecer.

LEIA TAMBÉM:

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo