Veja os riscos de adquirir produtos piratas neste Natal

Por Metro Jornal

O Natal já chegou novamente. Com ele, a vontade de presentear e ser presenteado. Quem não gosta?

Segundo estimativa da Boa Vista SCPC, o Natal deste ano vai injetar R$ 3,66 bilhões no comércio brasileiro.

Família, colegas de trabalho, amigo secreto… Situações que exigem presentes – e, portanto, dinheiro gasto – não faltam durante o fim de ano. Nesses momentos, muitas pessoas optam por produtos piratas para aliviar o bolso.

Mas será que esse é o melhor caminho?

Estimativas da Associação Brasileira de Licenciamento de Marcas (ABRAL) dizem que, a cada R$ 100 em compras feitas no ano passado, quase 20% foram gastos com produtos piratas.

Os prejuízos às empresas nacionais e à arrecadação de impostos pelo governo com contrabando ilegal e falsificações de artigos alcançaram R$ 145 bilhões em 2017, segundo dados da Associação Brasileira de Combate à Falsificação (ABCF).

Leia mais:
Homem queima grande árvore de Natal porque ‘odeia’ a data comemorativa
São Paulo ganha ônibus elétricos movidos a bateria

E os prejuízos não são apenas para os cofres das lojas regularizadas e do poder público.

A ABRAL alerta que são vários os riscos para o próprio consumidor de adquirir produtos piratas.

Veja alguns antes de realizar suas compras neste ano:

Qualidade?
Os produtos ilegais podem ter irregularidades técnicas e defeitos práticos. Para piorar, eles não têm garantia de qualidade, troca, manutenção ou reparo. Nem precisa falar que é cilada comprar qualquer coisa sem o direito troca se apresentar defeitos, certo?!

Brinquedos perigosos
Quando são ilegais, os brinquedos não são testados pelos órgãos reguladores. Isso significa que eles podem causar acidentes em crianças e adultos, já que não é incomum apresentarem peças que se soltam facilmente e substâncias tóxicas, como o chumbo, cádmio e mercúrio.

Concorrência desleal
A compra de piratas estimula o crescimento do crime organizado. Com a sonegação de impostos, setores sociais importantes deixam de receber investimentos. Empresas legais são prejudicadas, perdem faturamento e cortam empregos.

Eletrônicos, computadores e calçados
Produtos piratas não atendem aos requisitos de qualidade técnica, têm baixa durabilidade e resistência. Por um pouco mais, vale investir naquele tênis que vai durar mais tempo.

No caso dos eletrônicos, não há garantia nem assistência técnica. Em muitos casos, nem dá tempo ou espaço para testar. Já pensou chegar em casa e aquele pen drive, fone de ouvido ou tablet não funcionar?

Se o Estado de São Paulo não tivesse perdido  R$ 3,13 bilhões em evasão fiscal no ano passado, poderia ter construído…
… 26 hospitais;
… 107 escolas de padrão CEU;
… 520 Upas (Unidade de Pronto Atendimento de Saúde);
… 600 escolas públicas;
… 1.550 creches;
… ou 33 mil casa populares.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo