Você costuma perdoar fácil? Estudo aponta que temos inclinação a aceitar desculpas

Por Metro Jornal

Errar é humano, perdoar também: em tempos de ódio, intolerância e preconceitos, é bom saber que, apesar de tudo, ainda somos capazes de pedir e aceitar desculpas. Um estudo chegou a conclusão de que temos uma inclinação natural para perdoar.

Leia mais:
Cientistas estão perto de encontrar uma cura para o vício em cocaína
Abelhas estão ficando viciadas em pesticidas; entenda como isso contribui para escassez de alimentos

"O cérebro forma impressões sociais de uma forma que pode permitir o perdão. Como pessoas às vezes se comportam mal por acidente, nós precisamos ter a capacidade de atualizar más impressões que se mostram equivocadas. Não fosse por isso, poderíamos acabar relações prematuramente e perder muitos benefícios de conexões sociais", diz Molly Crockett, uma das autoras do estudo publicado na revista Nature Human Behaviour.

A pesquisa foi conduzida por cientistas das universidades de Yale, nos EUA, Oxford e College London, no Reino Unido, e International School for Advanced Studies, na Itália.

Cerca de 1,5 mil pessoas participaram, avaliando o caráter e o nível de confiança de dois estranhos em uma situação específica. Duas pessoas deviam infligir choques em outra pessoa em troca de uma determinada quantidade de dinheiro. Uma delas se recusava, enquanto a outra se importava apenas com o lucro recebido.

A pessoa que se recusava a dar os choques era vista com boa impressão, ao contrário do que infligia pelo dinheiro. Só que quando este último resolvia não dar o choque, os participantes demonstravam uma capacidade de mudar de opinião muito rápido, até que ele desse a próxima descarga e voltasse a ser mal avaliado.

"Acreditamos que nossa descoberta revela uma predisposição básica para dar o benefício da dúvida a outras pessoas, até mesmo estranhos", afirma Crockett. Isso explicaria, inclusive, a insistência em relacionamentos ruins. "A mente humana é construída para manter relações sociais, até quando os nossos parceiros se comportam mal", explica.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo