Facebook cedeu dados de usuários a 60 empresas, denuncia jornal americano

Por Ansa

Após o mega escândalo com a Cambridge Analytica, o Facebook continua no centro das denúncias de violações de privacy. A empresa teria feito acordos ao longo da última década com ao menos 60 fabricantes de smartphone, tabletes e dispositivos móveis que os permitem acessar dados pessoais de milhares de usuários sem que os clientes tenham consentido. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (4) pelo jornal "The New York Times".

Entre as companhias citadas na reportagem, estão a Apple, Amazon, BlackBerry, Microsoft e Samsung.

A maior parte destes acordos de compartilhamento de dados pessoais ainda estaria em vigor e permite ao Facebook estender seu raio de ação, deixando os fabricantes livres para oferecer e difundir aos próprios clientes alguns dos serviços mais populares do colosso das redes sociais.

Leia mais:
Novas regras do cartão de crédito já estão valendo; veja o que muda
Cientistas criam curativo que pulsa para tratar sequelas de corações infartados

Em troca, o Facebook permitiu que as empresas como Apple e Samsung acessassem informações pessoais dos usuários da rede e de seus "amigos" na plataforma social, inclusive em casos de pessoas que se dizem convencidas de que negaram o compartilhamento dos próprios dados.

Depois do escândalo da Cambridge Analytica, que se refere a "furto" de dezenas de milhões de dados pessoais de usuários do Facebook utilizados para fins políticos, este novo caso coloca em risco o grupo de Mark Zuckerberg.

Em resposta à denúncia levantada pelo "The New York Times", o vice-presiente do Facebook, Ime Archibong, disse que a empresa cedeu o acesso aos dados dos usuários aos fabricantes de dispositivos móveis apenas para que os aparelhos tivessem a rede social, "em uma época em que não existiam aplicativos".

O executivo ressaltou que os 60 fabricantes assinaram acordos que impedia o uso dessas informações para fins diversos, e garantiu que sempre foi solicitada a permissão dos usuários.

"Nos primeiros dias da época mobile, não existiam os aplicativos. Por isso, empresas como Facebook, Google, Twitter e YouTube tinham que trabalhar diretamente com os fabricantes de sistemas operacionais para que seus produtos chegassem às mãos das pessoas", afirmou o executivo, apesar do "NYT" afirmar que os acordos estariam em vigor.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo