4 sinais de que o seu pet pode estar sofrendo de solidão

Por Metro Jornal

A rotina corrida de muitos tutores que têm animais faz com que, muitas vezes, o pet acabe ficando sozinho em casa boa  e passe a manifestar comportamentos nada saudáveis.

Assim como os humanos, tanto cães quanto gatos podem sofrer de tristeza e solidão. Por isso, é sempre importante ficar de olho no seu pet, afinal, esse tipo de sintoma tem tratamento.

Segundo a veterinária Lívia Romeiro do Vet Quality Centro Veterinário 24h, um bom adestramento aliado à medicação certa é essencial para deixar o pet em um estado mais calmo e saudável, mas não só isso. Brincadeiras também são fundamentais.

A seguir, e com a ajuda de Lívia, listamos alguns dos problemas mais comuns em pets deprimidos e contamos como reverter esse quadro. Confira.

Casa destruída
Alguns animais, para descontar seu estresse, ansiedade, raiva e medo, podem destruir objetos e partes da casa, cavar buracos, comer plantas e, além de deixar sua casa uma bagunça, acabam se machucando. Para evitar o transtorno de ver a sua casa destruída e o seu pet machucado, estimule a atividade física. Passeios e brincadeiras diárias são a melhor alternativa para deixar o seu bichinho feliz.

Ele se machuca!
Pets deprimidos podem morder ou lamber de maneira exagerada algumas extremidades do próprio corpo, como rabo e patas, causando lesões que podem se tornar bem sérias. Criar um ambiente estimulante para que ele possa se entreter é uma boa maneira de prevenir esse comportamento. Aposte em um lugar agradável e cheio de atrativos, como brinquedos educativos, coisinhas de morder, e claro, não esqueça de deixar uma peça de roupa com o seu cheiro para que ele não se sinta tão abandonado na sua ausência.

Mudança de comportamento
O animal também pode passar a demonstrar agressividade, agitação, depressão e falta de apetite. Nesse caso, opte pelo adestramento. Um pet treinado por um profissional consegue lidar melhor com a solidão. Isso porque as técnicas de treinamento ensinam ao animal como se comportar de forma adequada na ausência do dono.

Ele não para de latir!
Já ouviu falar da síndrome da ansiedade de separação? Ela ocorre quando o cão, quando isolado, tem crises de pânico, late ou uiva desesperadamente, faz bagunça ou se automutila. Não há provas que a doença seja mais recorrente em certas raças, mas o que se sabe é que os cães de pequeno porte, que geralmente convivem mais com seus donos e os cães que foram abandonados e sofreram na rua, tendem a desenvolver a síndrome com mais facilidade. Por isso, fique de olho! Se o seu cachorrinho apresentar algum desses comportamentos, procure um veterinário ou um adestrador que possa orientá-lo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo