Quando e como o Sol vai morrer? E no que ele irá se transformar

Por Metro Internacional

Anteriormente, os astrônomos pensavam que o nosso Sol se tornaria uma nebulosa planetária, uma bolha luminosa de gás e poeira, até que as evidências sugerissem que teria que ser um pouco mais maciça. Agora, uma equipe internacional de astrônomos revisou os cálculos e descobriu que uma nebulosa planetária é de fato o mais provável cadáver solar.

O sol tem 4,6 bilhões de anos de idade, medido de acordo com outros objetos no Sistema Solar que foram formados ao mesmo tempo. E, segundo observações de outras estrelas, os astrônomos prevêem que chegará ao fim de sua vida em cerca de 10 bilhões de anos.

Há outras coisas que vão acontecer ao longo do caminho, é claro. Em cerca de 5 bilhões de anos, ele vai se tornar uma gigante vermelha. O núcleo da estrela vai encolher, mas as suas camadas exteriores vão expandir-se. Há controvérsias entre os cientistas sobre se a Terra será engolida.

Uma coisa é certa: naquele momento, certamente não estaremos pode aqui. Na verdade, a humanidade tem apenas cerca de 400 milhões de anos de vida, a menos que encontremos uma maneira de escapar desta rocha. Isso porque o Sol está aumentando seu brilho em cerca de 10% a cada bilhão de anos.

Isso não parece muito, mas esse aumento no brilho (e calor) vai acabar com a vida na Terra. Nossos oceanos se evaporarão e a superfície se tornará muito quente para formar água.

O que vai acontecer depois disso tem sido mais difícil de identificar. De acordo com o estudo publicado apenas na revista "Nature", os astrônomos determinaram que, como 90% de outras estrelas, nosso Sol é mais provável de ser reduzido de uma gigante vermelha para se tornar uma anã branca e, em seguida, acabar como uma nebulosa Planetária.

Eles são chamados de nebulosa planetária não porque eles realmente têm algo a ver com os planetas, mas porque, quando as primeiras foram descobertos por William Herschel no fim do Século 18, elas tiveram uma aparência semelhante aos planetas através dos telescópios.

Cerca de 25 anos atrás, os astrônomos notaram algo peculiar: as nebulosas planetárias mais brilhantes em outras galáxias tem aproximadamente o mesmo nível de brilho. Isto significa que, pelo menos teoricamente, observando as nebulosas planetárias em outras galáxias, os astrônomos podem calcular o quão longe estão.

Os dados mostraram que isso estava correto, mas os modelos se contradiziam, o que irritou os cientistas desde que a descoberta foi feita.

Durante anos, os modelos pareciam contradizer a hipótese, mas os novos modelos resolveram o problema mostrando que o Sol se aproxima do limite inferior da massa para uma estrela que pode produzir uma nebulosa visível.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo