Facebook admite influência em eleições nos EUA

Por Metro Jornal e Ansa

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, quebrou o silêncio nesta quarta-feira (21) e pediu desculpas pelo escândalo envolvendo o vazamento de informações de usuários que foram usados para influenciar as eleições norte-americanas, conforme admitido pela empresa de análise de dados Cambridge Analytica.

O executivo-chefe da Cambridge Analytica, Alexander Nix, afirmou em um vídeo vazado nesta terça (20) que sua consultoria influenciou diretamente nas eleições presidenciais norte-americanas em 2016, vencidas pelo republicano Donald Trump.

Nix, que também foi afastado do cargo, diz no vídeo divulgado pelo canal britânico "Channel 4 News" que se encontrou "muitas vezes" com Trump e afirmou ter enviado e-mails com um "temporizador de autodestruição" durante a campanha do magnata republicano, para tornar mais difícil o rastreamento das ações da empresa.

Em resposta, a Cambridge Analytica disse que os comentários de Nix "não representam os valores ou operações da empresa e sua suspensão reflete a seriedade com que vemos essa violação".

Mas as palavras de Nix dão ainda mais dor de cabeça para o Facebook, que teve os dados pessoais de 50 milhões de usuários da rede social usados ilegalmente para prever e direcionar as orientações de voto nas eleições presidenciais dos Estados Unidos de 2016.

Parlamentares europeus e norte-americanos exigem do Facebook uma resposta sobre como a consultoria obteve acesso aos dados de todos esses usuários da rede social, além de questionarem o porquê a empresa de Mark Zuckerberg não informou seus usuários sobre o ocorrido

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo