Moderno há 50 anos: a história do tri brasileiro na Copa do Mundo de 1970

Seleção de 1970 foi diferente de tudo que se viu antes e influenciou o que veio depois, ao fundir o ideal platônico do futebol com o resultado

Por Wilson Dell’Isola - Metro

Não se viu nada igual antes. Até hoje o esquema tático influencia os treinadores mais modernos. E já se passaram 5 décadas: Brasil, tri no México em 1970. Confira abaixo o especial:

Cabeça

Ainda no campo de defesa, Gerson rolou para Clodoaldo, que driblou um, dois, três, quatro italianos. O relógio cravava 41 minutos do 2º tempo quando o volante abriu na esquerda para Rivellino, que tocou para Jairzinho achar Pelé na entrada da área. O Rei só rolou para Carlos Alberto Torres chegar como um raio para finalizar com força e cravar 4 a 1 na final da Copa do México de 1970. Era a terceira estrela no peito brasileiro, que completa exatos 50 anos neste domingo.

O gol que encerrou os trabalhos do tri é exatamente a imagem mais fiel que se pode ter daquele esquadrão. Apesar de cinco décadas decorridas daquele 21 de junho no estádio Azteca, a mistura de futebol-arte, potência física e resultado provou que ele é tão moderno hoje como era em 70.

Moderno e inovador. O “culpado” se chama Mário Jorge Lobo Zagallo. À frente do selecionado no lugar de João Saldanha a menos de três meses antes da abertura do Mundial, o Velho Lobo teve personalidade para revolucionar na montagem da equipe. Foi quando ele anunciou aos jogadores que o time seria: Félix; Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza e Everaldo; Clodoaldo, Gérson e Rivellino; Jairzinho, Pelé e Tostão.

Zagallo havia colocado Rivellino na ponta esquerda na vaga de Paulo Cézar Caju; inventou Tostão como o atacante mais perto do gol – mais até do que Pelé –; e recuou Piazza da volância para a zaga para a entrada de Clodoaldo no meio. Nos termos de hoje, Tostão seria o “falso 9”. Tudo com muita movimentação e sem posição engessada dos homens de frente.

Para Clodoaldo, a lendária Holanda de 1974, “Laranja Mecânica”, jogava nos moldes dos brasileiros de 1970. Mas não foi só o famoso time de Johan Cruijff que bebeu da ideia. Outro exemplo era o “insuportável” tiki-taka estabelecido por Pep Guardiola no Barcelona entre 2008 e 2012, que fez o time dominar o cenário da bola. As referências vão entre o equilíbrio do  “Carrossel Holandês” de Rinus Michels, decorrente do time  de 1970, com a própria Seleção Brasileira de 1982, eliminada pela Itália na Copa da Espanha.

Pulmão

O triunfo histórico rende a Zagallo e seus comandados os merecidos louros. Mas existe um fator “invisível” que também teve muito peso na conquista. Claro que comparando com o futebol de mais embate físico de hoje em dia, os jogos da Copa de 1970 parecem estar em câmera lenta. Mas não se engane: a preparação física do grupo foi muito trabalhada.

O time se reuniu no dia 12 de fevereiro e permaneceu assim até 1º de maio, um mês antes da estreia. Ao chegar ao México, cerca de três semanas antes do início, a escolha foi pela cidade de Guanajuato, que tinha altitude compatível com as partidas que o Brasil disputaria.

Todo o plano, porém, havia sido desenhado por João Saldanha, com o auxílio de Lamartine Pereira da Costa, oficial da Marinha que tinha sido observador da Olimpíada na Cidade do México dois anos antes. O trabalho previa menos bola e mais treinos de resistência e condicionamento, além do isolamento em cidades mais altas. O Velho Lobo era contrário à ideia, mas foi convencido pelo preparador físico Admildo Chirol, que tinha como assistentes Carlos Alberto Parreira e Cláudio Coutinho.

O resultado foi que, além de ganhar na bola, a Seleção também se sobressaía pelo físico. Prova disso é que dos 19 gols que o Brasil anotou nos seis jogos que disputou, 12 saíram no 2º tempo.

Campanha copa de 1970

Coração

Além de superar as outras 15 seleções para conquistar o tricampeonato, o Brasil também teria que vencer a desconfiança por conta do fracasso do time comandado por Vicente Feola na Copa anterior, de 1966, na Inglaterra, quando caiu ainda na 1ª fase. Brito, Gérson, Tostão, Jairzinho e Pelé eram remanescentes em 70 e ainda não haviam digerido o revés na Inglaterra. Semanas antes do Mundial, inclusive, o Rei praticamente cravou sua despedida após a disputa do México.

Mas não era só esse o fantasma que assombraria a Seleção. Quis o destino que o Uruguai entrasse no caminho, na semifinal. Com ele, o “Maracanazo”, como foi batizada a derrota por 2 a 1 para a Celeste no primeiro Mundial realizado por aqui, em 1950, e que já completava 20 anos na ocasião. Nas entrevistas pré-jogo, os brasileiros se diziam calmos. Só que, quando a bola rolou, era como se Ghiggia e companhia estivessem do outro lado, e a tensão, confessou Clodoaldo, tomou conta da Seleção em campo.

E foi o próprio camisa 5 que marcou um gol surpreendente aos 44 minutos da etapa inicial, que fez o placar igualar em 1 a 1. Para que, no 2º tempo, o time se reencontrasse e exorcizasse mais um fantasma com a vitória por 3 a 1.

 

Loading...
Revisa el siguiente artículo