'Caso George Floyd’ mostra que racismo precisa ser combatido também no futebol

Por Metro Jornal

O assassinato por asfixia de George Floyd, homem negro de 46 anos, por um policial branco na cidade de Minneapolis, Minnesota (EUA), tem gerado diversas protestos ao redor do mundo. Trouxe também novamente a reflexão sobre o racismo estrutural que permeia todos os setores da sociedade. Inclusive o futebol.

Nem mesmo o esporte mais popular do mundo foge de máculas quando o assunto é preconceito e discriminação, inclusive racial.

Tinga, Daniel Alves, Roberto Carlos, Aranha, Arouca, Elicarlos, Michel Bastos, Grafite, Hulk, Malcom, Andrade, Cristóvão Borges, Tchê Tchê, Obina, Dentinho, Lula Pereira, Taison, Balotelli, Lukaku, Koulibaly, Kevin Prince-Boateng, Yaya Touré, Samuel Eto’o, Matuidi, Sterling…

Muitos destes atletas e jogadores não se conhecem, mas compartilham a dor de terem sido vítimas de racismo, dentro e fora de campo. Isso só para citar alguns exemplos recentes.

“O racismo está em todos os lugares, infelizmente. Às vezes precisa chegar no extremo para tomarmos certos tipos de providência. É algo que simplesmente precisa ser abominado.”

As palavras são de Daniel Alves, hoje jogador do São Paulo, à CNN Brasil. O veterano de 37 anos, que colecionou títulos ao longo da sua carreira, sofreu com ofensas por conta do seu tom de pele. Em 2014, quando atuava pelo Barcelona, em um jogo contra o Villarreal, um torcedor rival atirou uma banana no gramado.

As campanhas de conscientização contra este crime existem. A adesão dos clubes na luta contra o racismo no futebol tem sido  cada vez maior. A própria Fifa, no ano passado, adotou um protocolo que prevê punições às entidades em caso de episódios lamentáveis desta natureza.

Mas nada disso tem surtido o efeito esperado no mundo da bola. Basta olhar para o relatório anual do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, que tem como último balanço a temporada 2019. Foram 56 casos de injúria racial registrados no Brasil, 12 a mais que no ano anterior –  que detinha a pior marca até então. O Observatório também apontou outras 6 ocorrências em competições Sul-Americanas e mais 14 em campeonatos pelo mundo. E isso só considerando atletas brasileiros…

CASOS

  • Torcedores do Villarreal atiraram uma banana em direção de Daniel Alves, jogador do Barcelona em 2004,  que comeu a fruta como gesto de protesto
  • Em 2019, além de sofrer com racismo de rivais, Lukaku, da Inter, ainda viu fãs do seu time defenderem os insultos
  • No ano passado, Balotelli ameaçou deixar a partida do seu time, o Brescia,  contra o Verona, após ser alvo de cânticos racistas da torcida adversária
  • No fim de 2019, Taison, no Shakhtar Donetsk, foi mais um que  se revoltou no gramado com ofensas raciais, desta vez  vindas da torcida do Dínamo de Kiev
  • Goleiro do Santos em 2014, Aranha ficou indignado durante um jogo após ofensas da torcida do Grêmio, que foi excluído da Copa  do Brasil como punição
  • Desábato, do Quilmes, teve sua prisão decretada ainda no gramado do Morumbi em 2005 após  ofensas contra Grafite, então no São Paulo
Loading...
Revisa el siguiente artículo