Os rivais do Flamengo na disputa pelo Mundial de Clubes

Por Fernando Valeika de Barros, do Qatar, para o Metro

O Mundial de Clubes, no Qatar, começará para valer para o Flamengo nesta sexta-feira (13). No período da tarde a delegação da equipe campeã da Libertadores deste ano embarcará rumo a Doha, a capital do país. O treinador Jorge Jesus e a comissão técnica já sabem que mal terão tempo de descansarem: amanhã, poucas horas depois do desembarque, já sairá o adversário dos brasileiros na semifinal.

Conheça os clubes que disputam o campeonato com o clube carioca:

Liverpool (Inglaterra)

Catorze anos depois de conquistar o topo do pódio na Europa, Liverpool ganhou o seu sexto título continental na base da superação. Detonado pelo Barcelona, por 3 a 0, na partida de ida da semifinal, fora de casa, os “Reds” conseguiram o impossível no jogo de volta: venceram por 4 a 0 e foram para uma final 100% inglesa, contra o Tottenham, em Madri.

Aí não teve susto. Aos 2 minutos de jogo, com um gol de pênalti de Mohamed Salah, os “Reds” deixaram os rivais mais tempo com a bola, mas foram precisos. O time matou a partida no final com um chute do belga Origi.

Em Doha, o time terá um desfalque: o brasileiro Fabinho, que machucou o tornozelo esquerdo, contra o Napoli, em novembro. Estrelas, como Alisson, da seleção brasileira, no gol, o holandês Virgil Van Dijk, na zaga, e a trinca, formada pelo senegalês Sadio Mané, o egípcio Mohamed Salah, e o brasileiro Roberto Firmino estarão prontos para o bote, em Doha. O técnico Jürgen Klopp, também.

O caminho do Liverpool até Doha:
13 jogos, 8 vitórias, 1 empate e 4 derrotas
22 gols a favor, 12 contra

Primeira Fase 2º do Grupo C [3×2,1×2 Paris Saint-Germain, 0x1, 1×0 Napoli (Itália); 4×0, 0x2 Estrela Vermelha (Sérvia)]
Oitavas 0x0 (casa), 3×1 (fora) Bayern de Munique
Quartas 2×0 (casa), 1×4 (fora) Porto
Semifinais 0x3 (fora), 4×0 (casa) Barcelona
Final 2×0 Tottenham (Estádio Wanda,Madri)

Formação (em 4-3-3):
• Alisson; (12) Joe Gomez; (4) Virgil van Dijk e (26) Andy Robertson; (15) Oxlade, (14) Jordan Henderson e (7) Milner; (11) Salah, (9) Firmino e (10) Mané

Al-Hilal (Arábia Saudita)

Os sauditas fizeram uma campanha de altos e baixos na Liga dos Campeões da Ásia e conquistaram seu primeiro título continental, depois de 19 anos. Não tomaram conhecimento do Urawa Reds, nas finais – que venceram por 1 a 0, em casa, e 2 a 0, fora. A base do time é formada por jogadores do país, com o reforço do francês Bafémtimbi Gomis e do peruano Carrillo, no ataque, o brasileiro Carlos Eduardo e o italiano Giovinco, no meio-campo, e o coreano Jang Hyun-Soo, na zaga.

O caminho do Al-Hilal até Doha:
14 jogos, 9 vitórias, 2 empates, 3 derrotas
26 gols a favor, 14 contra
Primeira Fase  1º do Grupo C [1×0, 2×0 Al Ain (Emirados Árabes Unidos), 3×1,2×2 Al-Duhail (Qatar); 1×2, 1×0 Esteghlal Teerã (Irã)]
Oitavas 4×2 (fora), 0x1 (casa) Al-Ahli Jeddah (Arábia Saudita)
Quartas 0x0 (fora), 3×1 (casa) Al Ittihad (Arábia Saudita)
Semifinais 4×1, 2x4Al-Sadd (Qatar)
Finais 1×0, 2×0 Urawa Reds (Japão)

Formação (em 4-2-3-1):
• Al Maiouf; (20) Al-Shahrani; (21) Al-Hafith; (27) Jahfali e (11) Kadesh; (8) Cuellar e (14) Otayf; (32) Carrillo, (3) Carlos Eduardo e (6) Al-Abed; (16) Bafétimbi Gomis

Monterrey (México)

Campeões das Américas Central e do Norte, os “listrados” chegam ao seu quarto Mundial da FIFA, após vencerem o Tigres, em um duelo mexicano, na final. OK, fora um terceiro lugar conquistado no Japão, em 2012, as campanhas não foram grande coisa. O destaque do time, comandado por Antonio Mohamed (ex-ídolo do clube), é o atacante argentino Rogelio Funes Mori.

O caminho do Monterrey até Doha:
14 jogos, 9 vitórias, 2 empates, 3 derrotas
26 gols a favor, 14 contra
Primeira Fase  1º do Grupo C [1×0, 2×0 Al Ain (Emirados Árabes Unidos), 3×1,2×2 Al-Duhail (Qatar); 1×2, 1×0 Esteghlal Teerã (Irã)]
Oitavas 0x0 (fora), 1×0 (casa) Alianza (El Salvador)
Quartas 3×0 (fora), 0x1 (casa) Atlanta United (EUA)
Semifinais 5×0, 5×2 Sporting KC (EUA)
Finais 1×0, 1×1 Tigres (México)

Formação (em 4-2-3-1):
• (1) Barovero; (21) Layún; (33) Medina , (4) Sánchez (11) e Vangioni; (29) Rodríguez e (16) Ortiz; (8) Pabón, (20) Pizarro e (17) Gallardo; (7) Funes Mori ou (9) Janssen

Espérance de Tunis (Tunísia)

Com quatro títulos da Liga dos Campeões da África, o Esperánce de Tunis e seu elenco (cujo destaque é o marfinense Coulibaly) desbancou times mais badalados, como o Mazembe, do Congo, na semifinal e o WAC, do Marrocos, na decisão, e levantou a taça, em 2018, invicto.

Mas, não foi sem confusão. Na partida de volta, na Tunísia, quando o Esperánce ganhava por 1 a 0, gol do atacante argelino Belaïli, os jogadores do WAC abandonaram o campo. Foi em protesto contra um gol deles, anulado, aos 13 minutos do segundo tempo. E, para piorar a encrenca, o sistema de arbitragem eletrônica do estádio estava em pane.

Dias depois, a Confederação Africana de Futebol determinou que a partida fosse jogada, outra vez. Mas, em setembro, a decisão foi revista pelo Tribunal do Arbitral do Esporte, que confirmou o título para o Espérance.

O caminho do Espérance até Doha:
13 jogos, 9 vitórias, 4 empates
20 gols a favor, 6 contra
Primeira Fase – 1º do Grupo B [1×1, Horoya (Guiné), 2×0, Platinum (Zimbabue); 0x0, Orlando Pirates (África do Sul)]
Quartas 3×2 (fora), 3×1 (casa) CS Constantinois (Argélia)
Semifinais 1×0 (casa), 0x0 (fora) Mazembe (Rep. Democrática Congo)
Finais 1×1 (fora), 1×0 (casa) WAC (Marrocos)

Formação (em 4-3-3):
• (1) Ben Cherifia; (22) Derbali; (6) Yaakoubi, (30) Bedrane (11) Chetti; (3) Bonsú, (15) Coulibaly e (18) Benguit; (8) Badri (9) Ouattara e (10) Elhouni

Hienghène Sport (Nova Caledônia)

Campeão da Nova Caledônia, território francês na Oceania, até então mais conhecida no mundo do futebol por ser a terra de Christian Karembeu, destaque da seleção campeã mundial em 1998, o Hienghén fez uma campanha invicta na Liga dos Campeões da Oceania. Na semifinal, eliminou o Wellington, por 2 a 0, e foi para a decisão contra o Magenta, também da Nova Caledônia, fora de casa.

Um lance fantástico, definiu o jogo: antes da linha do meio-campo, Roine, do Hienhène, percebeu o goleiro rival adiantado e mandou um chute, antes da linha do meio de campo, já no segundo tempo e marcou o gol, que definiu a parada.

O caminho do Hienghène até Doha:
6 jogos, 5 vitórias, 1 empates
12 gols a favor, 2 contra
Primeira Fase  1º do Grupo A [3×0 Malampa Revivors (Vanuatu), 1×0 Tefanal (Taiti); 1×2,1 (Irã)]
Quartas 2×1 Ba (Fiji)
Semifinais 2×0 Team Wellington (Nova Zelândia)
Final 1×0 Magenta (Nova Caledônia)

Formação (em 4-2-1-3):
• (1) Nyikeine; (3) Yentao; (13) Kayara, (5) Dinet e (26) Ausu; (8) Gony e (20) Sansot; (10) Kayara; (7) Antony Kai (11) Bertand Kai e (9) Dahite

Al-Saad (Qatar)

Conhecido pelo apelido de “O Chefe”, o atual campeão do Qatar é treinado pelo catalão Xavi, um dos melhores jogadores do Barcelona e da seleção da Espanha, de todos os tempos. O elenco é formado por jogadores nascidos no país, com exceção dos meio-campistas coreanos Jung Won-young e Nam Tae-hee, que atuam ao lado do veterano espanhol Gabi, e o atacante Baghdad Bournedjah. Farão o jogo da vida deles, cotra o Hienghène, no seu estádio, pela primeira fase da Copa do Mundo de Clubes;

O caminho do Al-Saad até Doha:
22 jogos, 19 vitórias, 3 empates, 1 derrota
100 gols a favor, 22 contra
Campeão da Liga Qatar 2018/19

Formação (em 4-2-3-1):
• (1) Al-Sheeb; (2) Pedro Miguel, (16) Khoukhi, (5) Jung e (15) Salman; (14) Gabi e (20) Al Hajri; (10) Al-Haydos, (19) Nam e (23) Ali Abdull e (78) Afif

NO TOPO DO PLANETA

Os Campeões da Copa do Mundo de Clubes da FIFA

  • 2000 Rio de Janeiro, Brasil
    Corinthians (Brasil) 0x0, 5×4 (nos pênaltis) Vasco da Gama (Brasil)
  • 2005 Yokohama, Japão
    São Paulo (Brasil) 1×0 Liverpool (Inglaterra)
  • 2006 Yokohama, Japão
    Internacional (Brasil) 1x0 Barcelona (Espanha)
  • 2007 Yokohama, Japão
    Milan (Itália) 4×2 Boca Juniors (Argentina)
  • 2008 Yokohama, Japão
    Manchester United (Inglaterra) 2×0 LDU de Quito (Equador)
  • 2009 Dubai, Emirados Árabes Unidos
    Barcelona (Espanha) 2×1 Estudiantes (Argentina)
  • 2010 Dubai, Emirados Árabes Unidos
    Internazionale (Itália) 3x0 Mazembe (RD Congo)
  • 2011 Yokohama, Japão
    Barcelona (Espanha) 4×0 Santos (Brasil)
  • 2012 Yokohama, Japão
    Corinthians (Brasil) 1×0 Chelsea (Inglaterra)
  • 2013 Marrakesh
    Bayern Munique (Alemanha) 2×0 Raja Casablanca (Marrocos)
  • 2014 Marrakesh, Marrocos
    Real Madrid (Espanha) 2×0 San Lorenzo (Argentina)
  • 2015 Yokohama, Japão
    Barcelona (Espanha) 3×0 River Plate (Argentina)
  • 2016 Yokohama, Japão
    Real Madrid (Espanha) 4x2 Kashima Antlers (Japão)
  • 2017 Dubai, Emirados Árabes Unidos
    Real Madrid (Espanha) 1×0 Grêmio (Brasil)
  • 2018 Dubai, Emirados Árabes Unidos
    Real Madrid (Espanha) 4x1 Al-Ain (Emirados Árabes Unidos)
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo