Mexicanos fazem festa no Rio, mas lamentam derrota para o Brasil

Por Agência Brasil

Os mexicanos prepararam uma festa hoje (2) no restaurante Guacamole, na Zona Sul do Rio de Janeiro, para assistir ao jogo contra o Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo. Mas, com a derrota por 2 a 0, só faltou o motivo para comemorar. Enquanto a aflição do segundo tempo da partida deixava os nervos à flor da pele, não faltaram tacos, nachos e burritos para matar a saudade de casa e compensar a ansiedade.

A festa foi organizada pelo publicitário Saul Rojas, que mora há seis anos no Brasil. Sem a mulher, que é brasileira e não foi liberada do trabalho, ele usou a internet para convidar os compatriotas que moram no Rio. "É claro que a gente fica um pouco triste porque queria ganhar. Mas o México jogou bem. Pelo menos o Brasil é um time latinoamericano e um time irmão".

A consul-geral mexicana no Rio de Janeiro, Linda Marina Munive, foi uma das torcedoras que acompanhou o jogo no restaurante. "Não era o resultado que a gente esperava, mas a festa foi muito boa. Jogamos bem, mas o Brasil é um time bom também e achamos que a taça tem que ficar na América Latina".

Nascido no México e criado no Brasil desde os dois anos, MC Maylon chegou a esperar uma vitória mexicana, apesar de também ter comemorado os gols brasileiros.  "O jogo foi uma batalha. Achei que o México ganharia pela primeira vez, mas meu coração é dividido", disse o MC, que ainda tem família no México.

Festa

A ideia de organizar a festa dos mexicanos surgiu para Saul Rojas porque a comunidade mexicana andava um pouco dispersa e dividida. O México passou por eleições presidenciais ontem e o resultado foi a vitória de López Obrador, do partido Morena, mas o assunto hoje foi o futebol. "A torcida mexicana é bem animada e festeira. A gente pula, dança e gosta de futebol quase tanto quanto os brasileiros", brincou o publicitário.

Em uma copa em que Coreia do Sul desclassificou Alemanha e a Rússia mandou a Espanha pra casa, o sentimento entre  os torcedores mexicanos era de animação antes do início do jogo, o que só cresceu com a competitividade do México no primeiro tempo. No intervalo, mariachis com sanfonas e violões tocaram clássicos como La Bamba, Macarena e La Cucaracha. O clima de festa invadiu o segundo tempo, mas o gol do Neymar,  pouco depois dos cinco minutos, instaurou a aflição dos mexicanos, que durou até o fim da partida.

Para acompanhar a festa, Saul pediu os tradicionais tacos al pastor, tortilhas de milho acompanhadas de uma carne suína temperada e apimentada.

Flamenguista

Há quatro anos no Brasil, Dejanira Sánchez, de 38 anos, conta que sua chegada ao país tem tudo a ver com o futebol. Quando ainda morava no Norte do México, ela lembra que acompanhou pela TV um jogo entre Flamengo e América do México, em 2008. "Fiquei encantada com a torcida do Flamengo e comecei a pesquisar tudo sobre o time na internet", diz Dejanira, que casou com um brasileiro e se mudou para o Brasil, onde está desde 2014.

Aqui ela já se juntou à torcida rubro-negra que tanto admirou pela TV. Quando chegou a Copa do Mundo, no entanto, ela e o marido passaram a usar camisas diferentes. "Tenho muitos amigos brasileiros e tenho sido muito zoada na Copa. Por isso eu pensei: tenho que ver esse jogo com mexicanos. Aí eu procurei na internet e descobri essa festa".

Brasileiros

Mesmo no restaurante mexicano, a torcida ouviu os brasileiros comemorarem a vitória. O casal Daniele Assis, de 41 anos, e Bruno Oliveira, de 31, escolheu o Guacamole para assistir ao jogo do Brasil para desfrutar da culinária apimentada. Com um sombreiro na cabeça, Daniele fez fotos com o celular para enviar a suas amigas que moram no México.

Há meses, a administradora queria experimentar o cardápio e o jogo da Copa do Mundo foi a desculpa perfeita. "A gente ama comida mexicana e a cultura mexicana. Tenho amigas que são de lá e tenho uma ligação forte com o México", contou Daniela.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo