Salah: vem do Egito o cara que pode de desbancar Cristiano Ronaldo e Messi

Por Cadu Proieti - Metro Jornal ABC

Na década em que o protagonismo individual no futebol mundial tem revezado de pés ano a ano entre os craques Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, um novo nome surge, de um país com quase nenhuma tradição no esporte, como um possível candidato a vencer a Bola de Ouro. Trata-se do egípcio Mohamed Salah, um dos principais responsáveis pela bela campanha do Liverpool na Liga dos Campeões, apesar da derrota na final por 3 a 1 para o Real Madrid.

No ano em que os holofotes foram direcionados a Neymar, maior contratação de todos os tempos do futebol pelo PSG, o egípcio chega no fim da temporada como um dos principais jogadores da atualidade. O atacante do time inglês foi o vice-artilheiro do principal torneio de clubes da Europa, com 11 gols, atrás apenas de ninguém menos que Cristiano Ronaldo, com 15. Já no Campeonato Inglês, onde quem mandou foi o Manchester City (campeão disparado com os melhores ataque e defesa), Salah foi o principal goleador da competição, com 31 gols.

Se no clube em que defende a fase é ótima, na seleção não é diferente. Em outubro, ele foi o herói da classificação do Egito à Copa ao fazer, nos acréscimos, o gol da vitória por 2 a 1 contra o Congo. O triunfo colocou os egípcios no Mundial após 28 anos – o último havia sido em 1990, na Itália.

A grande atuação na temporada e o forte trabalho social feito no país – iniciou neste ano a construção de um hospital e de uma escola para meninas na sua cidade natal, Nagrig – rendeu a Salah o apelido de “Rei do Egito”.

No entanto, chegar a tal patamar não foi fácil. Nascido em 15 de junho de 1992, Salah diz que na infância via com frequência os jogos da Liga dos Campeões pela TV, o que fez de Ronaldo, Zidane e Totti seus ídolos.

O garoto egípcio começou a treinar em um time do bairro Basyoun, onde morava. Depois, foi para o Tanta, clube da quinta maior cidade do Egito, que ficava a uma hora e meia da casa dele. Aos 14 anos, começou a jogar no Arab Contractors, da capital Cairo. Foi aí que começaram as dificuldades. “Era uma viagem de quatro a quatro horas e meia, cinco dias por semana, para chegar ao treinamento. Eu tinha que sair mais cedo da escola para treinar”, relatou ao site do Liverpool. Após três anos “viajando”, a esperança começou a ser maior quando subiu para o time principal, aos 17 anos, e se destacou.

Com 19, fez sua estreia pela seleção, em uma partida contra Serra Leoa, em setembro de 2011. No ano seguinte, foi o destaque do time nos Jogos Olímpicos de Londres, fazendo gol em todas as três partidas da fase classificatória.

A boa atuação o levou naquele ano para o Basel, da Suíça. Os 20 gols em dois anos chamaram a atenção do milionário Chelsea, que o contratou em 2014 por 11 milhões de libras. No entanto, a passagem pelo time londrino foi apagada. Logo em 2015, Salah foi emprestado à Fiorentina, da Itália, como moeda de troca pelo colombiano Cuadrado. A passagem por Florença também foi curta e logo ele se transferiu para a Roma, onde viu a carreira novamente decolar: foram 34 gols em um ano e meio. O bom desempenho na capital italiana o levou de volta para a Inglaterra. Os 42 milhões de euros do Liverpool fizeram de Salah o jogador africano mais caro da história do futebol. E lhe deu um novo status.

No auge da carreira aos 25 anos, o atual “Rei do Egito” tem a difícil missão de classificar a seleção de seu país para a segunda fase da Copa do Mundo pela primeira vez. Para isso, ele corre contra o tempo para recuperar o lado psicológico e, especialmente, físico. Na final da Liga dos Campeões, o atacante sofreu uma entrada do zagueiro Sérgio Ramos e deslocou o ombro esquerdo. Teve que deixar o campo ainda no 1º tempo e viu o sonho de disputar o Mundial ficar perto de morrer. Mas, ontem, ele foi confirmado pelo técnico Hector Cuper entre os 23 convocados.

Uruguai, Rússia e Arábia Saudita que se cuidem no Grupo A, porque, se  depender da sua força de vontade e talento, Salah não apenas estará em campo, como tem potencial para fazer chover. Até mesmo no deserto.

Salah Clique na imagem para ampliar (em PDF)
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo