Onde assistir Brasil x Alemanha

Por Fernando Valeika de Barros, de Berlim, especial para o Metro

Às 15h45, quando Brasil e Alemanha entrarem em campo, no estádio Olímpico de Berlim, a Seleção dirigida pelo técnico Tite fará o seu jogo mais emblemático. Será um duelo de nove títulos mundiais, também o embate entre dois estilos vencedores de jogar futebol, mas, principalmente, um teste para avaliar se o trabalho de recuperação técnica que o treinador conseguiu, desde que ele assumiu o comando do time em 18 jogos, há quase dois anos, também vale para o lado emocional.

Para começar, pairam as lembranças da última vez em que os dois times se encararam, na semifinal da Copa de 2014, no Mineirão, em Belo Horizonte. Resultado: 7 a 1 para ao alemães e o maior vexame da história do futebol brasileiro.

“Por tudo que envolve, é o maior desafio psicológico, sim. É cercado de uma série de expectativa. Vem para cá, lembra o título mundial, traz um componente inegável. Traz um componente emocional, sim”, disse o treinador.

Para avaliar novas alternativas de jogo – e também tirar a pressão de seu lado – o técnico alemão, Joachim Löw, poupará jogadores importantes, como Özil e Thomas Müller, que atuaram contra a Espanha, na semana passada. Mas Tite não considera isso exatamente uma vantagem. “Mesmo que a Alemanha venha com uma equipe modificada, a minha expectativa é de um grande jogo, contra os campeões mundiais, dentro da casa deles”.

Do lado, brasileiro, Fernandinho será testado como articulador, executando uma função parecida à que faz no Manchester City. “Nem sempre o futebol transforma um bom desempenho em resultado, mas se o nosso time mostrar competência, tiver qualidades individuais e de conjunto, uma proposta de jogo, que saiba suportar a pressão dos 7 a 1, estaremos no bom caminho”.

Apesar de o técnico alemão ter insistido nos progressos que a Seleção Brasileira fez nas mãos de Tite, o brasileiro evitou comparações. “A equipe da Copa do Mundo de 2014 foi a mesma que venceu a Copa das Confederações. Não acho justo que se escolha apenas um período para analisar um trabalho”, disse. “Convivo com este ‘fantasminha’ desde que cheguei à Seleção. Trabalhamos muito e esperamos que este jogo em Berlim marque uma nova etapa”.

Outra história

Muita coisa mudou do fatídico 7 a 1, no Mineirão, em 2014,  para agora. A Seleção voltou a jogar bonito com a chegada de Tite, os jogadores adquiriram mais confiança e o Brasil volta a ser favorito ao título mundial.

“Se não podemos mudar o passado, temos que tentar mudar o presente. Estamos aqui para fazer isso”, disse o lateral Daniel Alves, que na goleada era reserva de Maicon e agora é titular absoluto na posição.

Além do clima, os jogadores são outros, dos dois lados. Sequer foram chamados Neymar, Filipe Luís e Alex Sandro, machucados e, do lado alemão, Neuer, também lesionado, Müller e Özil, poupados.

Além disso, caras novas surgem nos dois times, mostrando que passam os anos, mas as duas seleções não deixam de ser potências.

brasil x alemanha
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo