Roberto de Andrade diz que sai realizado e defende seu trabalho no Corinthians

Por Estadão Conteúdo

O presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, deu sua última entrevista coletiva como mandatário do clube nesta sexta-feira, no CT Joaquim Grava. O dirigente confirmou seu apoio ao candidato Andrés Sanchez, da chapa Renovação e Transparência, e defendeu a permanência de Alessandro como diretor de futebol, além de exaltar a comissão técnica, que ele apontou como "a melhor do Brasil disparado".

Antes da entrevista, Roberto foi homenageado pelos jogadores e funcionários do clube e por seus familiares, na parte interna do CT. Claramente emocionado e segurando as lágrimas, contou que deixa o cargo com o sentimento de dever cumprido.

"Estou me sentindo realizado porque três anos passam muito rápido. Saio feliz não pelas conquistas, mas por tudo que eu fiz Equipe que a gente montou e tenho certeza que o Corinthians hoje tem a melhor comissão técnica do Brasil disparada. Toda a comissão é fora de série e formidável. Acho que posso dizer que sou completamente realizado. Não tem maior realização para um corintiano do que ser presidente do clube. Vou embora cheio de taças. O que eu quero mais da vida? Não é pela despedida (a emoção) e nem por ir embora. Chegou a hora e você se apega às pessoas. É a parte mais difícil", comentou.

Em relação às possíveis mudanças da nova diretoria, Roberto de Andrade disse que respeitará a decisão do novo dirigente, mas não acha correta qualquer alteração na parte de futebol do clube "O presidente tem o direito de escolher sua equipe de trabalho. Quando muda presidente, normalmente mudam as coisas. 'Ah, mas está ganhando e normalmente não se mexe'. Concordo com você, mas não posso responder por quem virá. Espero que o próximo presidente não mexa nada no futebol, não só no Alessandro, não mexa em ninguém. Já mostramos que temos o melhor time de trabalho. Essa é minha opinião."

Para reforçar sua opinião sobre a comissão técnica, Roberto de Andrade afirmou que decidiu apostar em Fábio Carille por conhecê-lo de perto, pois antes de ser presidente, foi diretor de futebol. "Se eu tivesse sido presidente nesses três anos, mas não tivesse passado pelo futebol, eu não teria a oportunidade de conhecer o Carille e minha decisão não teria sido essa (apostar nele). Pelo fato de eu ter acompanhado três anos como diretor de futebol e mais dois de presidente, me fez fazer uma análise melhor. Sabíamos que ele tinha competência. É uma excelente pessoa, que ninguém torce o nariz para ele no elenco, mas logicamente que o sucesso total são os resultados das competições e consagramos mais um técnico para o mundo", comentou.

O dirigente preferiu não elencar quais os maiores erros e acertos de sua gestão. "Toda a atitude que a gente toma, naquele momento você entende que é o melhor. Ao longo do tempo, você pode ficar decepcionado que não se tornou o que você esperava, mas isso é na vida. E não existe um grande feito. Um pouquinho de cada dia é que dá um feito gigante. Nenhuma atitude foi pensando em alguém, mas sim, sempre no clube", explicou.

Neste sábado, ocorrerá a eleição para definir o novo presidente do clube. Estão concorrendo ao pleito Andrés Sanchez, Antônio Roque Citadini, Felipe Ezabella, Romeu Tuma Júnior e Paulo Garcia.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo