Atleta relata abusos de ex-diretor de ginástica de trampolim dos EUA

Por Estadão Conteúdo
Ginasta Andrew Fuller - Reprodução/Twitter
Atleta relata abusos de ex-diretor de ginástica de trampolim dos EUA

O ginasta Andrew Fuller revelou nas redes sociais que sofreu abusos por um dirigente da Federação de Ginástica dos Estados Unidos. A afirmação foi feita uma semana depois de o médico da entidade, Larry Nassar, ser condenado a 175 anos de prisão por abusar de mais de 100 atletas, entre elas as campeãs olímpicas Simone Biles, Gabby Douglas, Aly Raisman e Jordyn Wieber.

No Twitter, Andrew Fuller acusa George Drew, diretor dos programas de ginástica de trampolim da federação entre 2015 e 2017, de submetê-lo a vários tipos de humilhação quando foi recrutado para treinar e viver com ele, em Michigan.

Quando pensou em denunciar o abusador, o ginasta afirma que se sentiu "ainda mais traumatizado pelo sistema", pois teria de conviver com o estigma de ser uma "vítima masculina". "Eu era forçado a tomar pílulas que não queria. Era forçado a fazer tarefas que me humilhavam", escreveu o rapaz nas redes sociais.

No relato, Andrew Fuller ainda revelou que, em certa ocasião, foi drogado e, quando acordou, descobriu que havia sido tatuado. O ginasta abandonou o local de treinamento, que também tinha instalações para alojar os atletas. O diretor se aposentou do cargo na federação no ano passado. Segundo Fuller, ele ainda recebe atletas em casa.

Andrew Fuller é a primeira vítima masculina do escândalo da federação de ginástica. Na semana passada, o ex-médico americano Larry Nassar foi condenado a 175 anos de prisão por molestar ginastas da Universidade de Michigan e da seleção olímpica.

Pais e atletas estão processando a federação de ginástica e o Comitê Olímpico dos Estados Unidos por omissão nos casos de abuso, que se estenderam por mais de 20 anos.

Loading...
Revisa el siguiente artículo