George Weah: o jogador que virou presidente da Libéria

Por Metro Jornal

Os jogadores de futebol tendem a ter mais ou menos os mesmos caminhos depois de se aposentar do campo: indo para o comentarista esportivo, em tempo integral treinador, consultoria, ou marketing esportivo. Agora, a lista acrescenta outra possibilidade interessante: presidir um país.

George Weah, conhecido nas esferas de futebol como o primeiro Africano a ganhar uma Bola de Ouro, em 1995, foi o mais votado da eleição presidencial da Libéria na terça-feira passada, vencendo o vice-presidente Joseph Sedutore. O ex-jogador do Milan, do partido da coalizão para a mudança democrática, conseguiu suceder na política, um sonho que o acompanhou por décadas.

Fora da Libéria muitos se lembram dele como o atacante que foi coroado como artilheiro da UEFA na temporada 1994-1995. Weah tinha vindo para a Europa graças ao treinador Arsène Wenger, que assinou para o Mônaco no final da década de 1980, e depois passou por Paris Saint-Germain, Milan, atuou na Liga inglesa com o Chelsea e mais tarde no Manchester City, e, finalmente, voltou à França para jogar em Olympic de Marselha e depois no clube dos Emirados Árabes Unidos, Al Jazira, onde se retirou do esporte.

Durante os últimos anos foi usual vê-lo em festas de gala dando troféus para os jogadores em destaque. Em 2001 ele entregou o troféu de Melhor do Mundo para Luis Figo, acompanhado por Josep Blatter, e em 2009 ele honrou o gol de Cristiano Ronaldo contra o Porto, nas quartas de final dos Campeões, com o Prêmio Puskás. Mas sua mente estava além do objetivo.

"Eu sei que muitas pessoas se perguntam por que um ex-futebolista iria prosseguir a Presidência de um país, mas ninguém questiona um advogado ou um empresário quando eles fazem o mesmo", disse Weah, em uma entrevista ao jornal inglês "The Guardian", onde falou das muitas críticas à inexperiência, especialmente das classes superiores, que cercaram sua candidatura.

Weah participou das eleições de 2005, mas perdeu contra Ellen Johnson Sirleaf, um economista formado em Harvard e um daqueles que ganharia o prêmio Nobel da paz em 2011.

Sua ascensão ao topo não foi fácil. Ele cresceu em uma favela em uma das áreas mais pobres da Monróvia, a capital, e durante seus anos como um jogador de futebol, ele sofreu com o racismo da sociedade europeia. Em 1996, ele quebrou o nariz do jogador português Jorge Costa depois de ser insultado por ele.

Ele não conseguiu o diploma da escola antes dos 41 anos de idade, e com o objetivo de fornecer suas deficiências educacionais, Weah foi para os Estados Unidos para fazer faculdade em gestão de negócios e fazer mestrado em administração pública.

Muitos jovens no país, ainda afetados por duas guerras civis, o veem como "o Messias do nosso país", comentou um membro da família de Weah no jornal inglês, mas muitos outros duvidam da sua capacidade de liderar a nação.

A sua número dois é Jewel Howard-Taylor, ex-mulher do ex-presidente e velho guerreiro Charles Taylor, condenado pela Haia por 11 crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Como diz a revista "Newsweek", Jewel ainda é uma figura controversa e está o radar das Nações Unidas.

Na política, como no futebol, às vezes você ganha e às vezes você perde. Desta vez ele ditou o ritmo.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo