Conheça a Fórmula E, o futuro das competições a motor que chega ao Brasil em 2018

Por Tercio Braga
Divulgação
Conheça a Fórmula E, o futuro das competições a motor que chega ao Brasil em 2018

Alejandro Agag, presidente e fundador da Fórmula E, fala aos leitores do Metro Jornal sobre o funcionamento da principal categoria elétrica do esporte a motor, que chega ao Brasil no ano que vem.

Se a pista brasileira só entra no calendário na quarta temporada, nas três primeiras, os pilotos do país já mostraram que podem dar muitas alegrias aos torcedores. Nelsinho Piquet foi campeão no ano de estreia. Lucas di Grassi deixou escapar o título por pouco em 2016 e no atual campeonato está na vice-liderança da tabela.

Além de Santiago, no Chile, e Roma, na Itália, São Paulo também vai receber a categoria. Como a entrada de novas etapas no calendário ajuda a consolidar a Fórmula E?

É emocionante dar as boas-vindas às novas cidades anfitriãs no calendário da Fórmula E, além de constatar o aumento do sucesso da categoria nos locais que já sediaram o evento

A Fórmula E continua a expandir o calendário e o número de cidades em mercados-chave, além da crescente lista de parceiros e fabricantes que se tornaram parte desta revolução elétrica. Nossa prioridade é consolidar um calendário com acordos de longo prazo com as cidades anfitriãs – o cronograma para a 4ª temporada representa um passo promissor na direção certa.

Quais são os objetivos da Fórmula E para os próximos anos?

agag buemi di Grassil Alejandro Agag, Sebastien Buemi e Lucas di Grassi / Divulgação

Temos uma série de metas a longo prazo, com cinco, seis e sete anos de antecedência – e também metas de curto prazo, melhorando a estação por temporada. Como uma série, o foco principal é desenvolver as conquistas das três primeiras temporadas, que excedeu nossas expectativas iniciais. Nós nunca poderíamos ter previsto a resposta que recebemos desde que o conceito inicial foi proposto há seis anos.

A Fórmula E teve um crescimento notável nas primeiras duas temporadas e meia, e agora temos parcerias com algumas das cidades mais emblemáticas do mundo e marcas automotivas de ponta.

Além da temporada atual, também estamos buscando adicionar mais corridas ao calendário e adicionar mais fabricantes ao campeonato. As principais empresas estão se juntando à revolução elétrica – todos estão migrando para eletricidade.

Queremos mostrar a Fórmula E na linha de frente na luta contra as mudanças climáticas – se pudermos encontrar soluções nas cidades, podemos influenciar mudanças positivas em todo o quadro.

Quais são as limitações tecnológicas que ainda existem na categoria?

Eu não digo necessariamente que existam limitações de tecnologia específicas na categoria – a Fórmula E está atrás dessas limitações na busca do progresso tecnológico.

Lucas di Grassi Di Grassi no pódio em Hong Kong, na abertura da atual temporada / Divulgação

Um exemplo é a capacidade e a eficiência da bateria. Por razões de segurança, não podemos mudar a bateria no meio da corrida – como em uma situação de pit stop. Os pilotos são obrigados a fazer uma troca de carro obrigatório, pois a especificação atual da bateria dura aproximadamente 25 minutos no modo de corrida (170kW).

A partir da temporada 2018/19, a Fórmula E não exigirá mais dois carros por piloto e a mudança de carro no meio de corrida deixará de ser obrigatória. Os carros terão uma nova aparência na temporada cinco e incorporarão nova tecnologia de bateria e motor para permitir que um único carro complete uma distância completa.

Isso mostra o quão longe chegamos em apenas cinco anos – duplicando a capacidade e a eficiência da bateria e dos componentes correspondentes.

Além disso, não podemos trabalhar a partir de uma folha de papel em branco e permitir que cada um desenvolva seu carro em termos de regulamentação, construção e design – portanto, certos aspectos do carro são uma especificação padrão para todas as equipes.

Na Fórmula E, há menos foco no desempenho aerodinâmico e no desenvolvimento. Isto é para defender o que está sob a pele – a bateria, o motor e a transmissão. Além disso, isso evita custos em espiral sem o uso extensivo de túneis de vento.

Como a Fórmula E se vê no contexto do aumento no mercado de carros elétricos?

A Fórmula E é mais do que apenas uma corrida – é parte da revolução elétrica na indústria automobilística. A categoria é um catalisador para o futuro da mobilidade sustentável. Temos uma missão que tornará nossa sociedade mais limpa e melhor para as gerações futuras. Nossa visão é que um dia todo carro no mundo será elétrico. Mas para conseguir isso, você precisa fornecer uma solução prática – é assim que a Fórmula E se concretizou.

Já vimos exemplos de transferência de tecnologia com o carro conceito Renault Trezor, que terá o mesmo motor do carro usado na Fórmula E. Além disso, o NIO EP9 – o supercarro elétrico mais rápido a correr na versão antiga de Nurburgring – que combina a mesma filosofia e equipamentos usados ​​pelo NextEV, a equipe que Nelson Piquet Jr. conquistou o título da categoria na temporada inaugural.

Além disso, o carro conceito elétrico da Aston Martin – RapidE – integrará a mesma tecnologia de bateria utilizada nos carros da Fórmula E, produzida pela Williams Advanced Engineering.

Em termos gerais, como você sente que a Fórmula E ajuda a promover a mobilidade elétrica?

A corrida sempre foi um laboratório para o desenvolvimento da tecnologia na indústria automobilística. Antes com carros de combustão e agora com carros elétricos. Dez equipes querem ganhar e criam e desenvolvem tecnologias para vencer – essa é a grande motivação. Eles então filtram a mesma tecnologia para seus carros de rua, o que melhorará os veículos elétricos e a experiência para motoristas em todo o mundo.

O que significa Fórmula E para o futuro dos carros?

Temos grandes desafios à nossa frente, mudanças climáticas, poluição no centro da cidade e o problema de produzir energia de maneira sustentável em todo o mundo. A Fórmula E quer desempenhar um papel para ajudar a encontrar uma solução – ajudar mais pessoas a comprar e a conduzir carros elétricos. A Fórmula E pretende ajudar o mercado dos carros elétricos a fazer sentido para os consumidores – mais eficiente e mais acessível … o futuro é elétrico.

Como é a entrada de novos fabricantes de motores, como a Ferrari, pode influenciar o futuro da categoria?

nelsinho piquet Nelsinho Piquet levou o título na temporada de estreia / Divulgação

É encorajador ver tantos fabricantes analisando sua participação futura na Fórmula E. A situação está mostrando a mudança de atitude em relação aos veículos elétricos, que os fabricantes estão empreendendo tempo e esforço na série, pois vêem a crescente importância no desenvolvimento de tecnologia para seus programas de veículos de rua.

No que diz respeito à Ferrari, obviamente eu adoraria vê-los juntar-se à Fórmula E sob qualquer forma – eles personificam o automobilismo. Eu li todos os artigos, mas ainda não falei com Sergio Marchionne [diretor executivo da Fiat – dona na marca italiana].

Ter a oportunidade de incluir uma marca como a Ferrari seria um grande impulso. A Fórmula E está se tornando uma mistura emocionante de fabricantes consolidados como Renault, Citroen-DS, BMW, Mahindra e Jaguar, além de novas marcas futuristas como Faraday Future, NextEV, ou como fabricantes de componentes importantes como Schaeffler e ZF.

Quantos fabricantes atualmente existem na categoria?

Atualmente, temos nove fabricantes com grupos motopropulsores homologados – ABT Schaeffler, Andretti Technologies, DS-Virgin, Jaguar, Mahindra, NextEV TCR, Penske, Renault e Venturi.

Isso mudará ligeiramente para a próxima temporada, com algumas novas mudanças emocionantes … mantenha os olhos abertos.

Existe alguma negociação para uma equipe brasileira entrar na categoria?

Temos um acordo com as equipes para limitar o tamanho do grid a 10 times até que mudemos de dois carros por piloto, para um carro por piloto na temporada cinco – então podemos adicionar mais duas escuderias.

Infelizmente, não posso comentar quaisquer abordagens iniciais ou negociações em andamento com times / fabricantes potenciais.

Os fabricantes participam do desenvolvimento dos regulamentos?

Sim, mas de forma consultiva, e não como parte do processo de decisão.

Nós organizamos reuniões regulares com fabricantes de automóveis para discutir o futuro da série e dos veículos elétricos para garantir que os regulamentos continuem desafiadores e relevantes.

Em última análise, os regulamentos são definidos e ratificados pela FIA como órgão de governo, mas todos nós temos os mesmos objetivos para garantir que a Fórmula E continua a ser a forma mais relevante de automobilismo para promover a transferência de tecnologia para veículos rodoviários elétricos de produção em massa contemporânea.

A Fórmula E pensa em ter uma “categoria escola”, como a Fórmula 1 tem Fórmula 2 (ex-GP2) e IndyCar tem Indy Lights?

Não neste momento. Como uma série, você poderia argumentar que ainda estamos em nossa infância e queremos consolidar a Fórmula E como uma marca e como uma das principais corridas antes de avaliar séries potenciais derivadas.

Isso é algo que devemos trabalhar em estreita colaboração com a FIA para considerar e questionar se uma escada de desenvolvimento precisa existir abaixo da Fórmula E – como acontece em outras categorias de automobilismo.

Quanto custa a criação de uma equipe para a Fórmula E?

O custo médio de executar uma equipe de Fórmula E é de cerca de 5-10 milhões de euros por ano – mas trabalhamos com as equipes e o órgão de governo para implementar um elemento de controle de custos, definindo regulamentos futuros e mantendo os custos em um nível sustentável.

Por que assistir a Fórmula E?

Há uma série de motivos pelos quais os fãs assistem a Fórmula E – mas o principal motivo é ver alguns dos melhores pilotos do mundo disputarem roda-a-roda nas ruas da cidade em uma tentativa de ser coroado de campeão.

A Fórmula E é a série elétrica de corrida de rua, onde os times e os pilotos têm que enfrentar os limites apertados de pistas de corrida sob medida, sob o pano de fundo das skylines mais reconhecidas – como Hong Kong, Paris e Nova York.

Ambas as temporadas foram disputadas até a última prova – Nelson Piquet Jr. ganhando por um único ponto na inaugural, e Sebastien Buemi venceu Lucas di Grassi graças à volta mais rápida em Londres, no ano passado.

Os fãs querem ação, excitação e imprevisibilidade – a Fórmula E tem isso em abundância, juntamente com a mensagem subjacente ao desenvolvimento de soluções de energia limpa.

formula e Conjunto da Renault se mostrou o melhor nas últimas duas temporadas da F-E / Divulgação

Como funciona o carro da F-E (em inglês)

Loading...
Revisa el siguiente artículo