Fifa descarta corrupção e mantém Copas na Rússia e Qatar

Por Carolina Santos
Mesmo sem encontrar corrupção, Fifa vai continuar investigando | Ronald Martinez/Getty Images Mesmo sem encontrar corrupção, Fifa vai continuar investigando | Ronald Martinez/Getty Images

O presidente da Câmara de Julgamento da Comissão de Ética da Fifa, Hans-Joachim Eckert, apresentou suas conclusões sobre o ‘relatório Garcia’, investigação sobre as escolhas das sedes dos Mundiais de 2018 e 2022 da Rússia e do Qatar, e disse que não ficou comprovada corrupção.

A investigação de Michael Garcia revelou “alguns fatos que poderiam atentar contra a integridade do processo de atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022”, mas não suficientemente graves para colocar em dúvida a atribuição das sedes a Rússia e Qatar, segundo o dirigente.

Eckert destacou que os atos irregulares evidenciados pelo relatório Garcia “são de alcance muito limitado” e “longe de alcançar um nível que implique retornar ao processo, ainda menos reabri-lo”.

A decisão, destaca, “não seria de todas as formas competência do Comitê de Ética da Fifa”.

Para Eckert e o Comitê de Ética, “a avaliação do processo de escolha das sedes dos Mundiais de 2018 e 2022 está, portanto, concluído”.

A Câmara de Investigação do Comitê de Ética informou a intenção de abrir procedimentos de investigação contra algumas pessoas.

O texto explica que os investigadores detectaram casos de possíveis violações do Código de Ética, mas não constataram ainda se as violações aconteceram realmente.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo