Portuguesa perde para o Oeste e é rebaixada pela primeira vez à Série C

Por Tercio Braga
Jogadores do Oeste comemoram o gol de Régis, para tristeza dos lusitanos | José Luis Silva/AGIF/Folhapress Jogadores do Oeste comemoram o gol de Régis, para tristeza dos lusitanos | José Luis Silva/AGIF/Folhapress

Foram 33 rodadas de sofrimento para o seu torcedor e, após a derrota para o Oeste por 3 a 0, nesta terça-feira, em Itápolis, a Portuguesa foi rebaixada matematicamente à Série C do Campeonato Brasileiro pela primeira vez em sua história. Os gols do jogo foram anotados por Denis, Reis e Cristiano.

Esse é o terceiro rebaixamento seguido da Lusa. Em 2012, logo após conquistar o título da Série B, a equipe foi rebaixada no Campeonato Paulista. Já na última temporada perdeu pontos pela escalação irregular do meio-camísta Héverton e foi parar na segunda divisão do nacional.

Com o resultado, a Portuguesa segue na última colocação, com 21 pontos conquistados, e não tem mais chances de permanência. Já o clube do interior sobe para a 16ª posição, com 38.

A equipe de Itápolis abriu o placar aos 33 minutos da primeira etapa. Dênis cobrou pênalti no canto esquerdo de Rafael Santos e fez o primeiro.

O Oeste ampliou aos 11 minutos do segundo tempo. Dênis fez o cruzamento e Rafael Santos, de forma bisonha, saiu da bola. Na sequência, Reis empurra para o gol vazio.

O Rubro-Negro fechou o placar aos 21. Cristiano robou a bola de Léo Costa, driblou o zagueiro Mateus e finalizou no canto direito do goleiro Rafael Santos.

Para cumprir tabela, a Portuguesa volta a campo no próximo sábado (8), às 21h, quando enfrenta o Luverdense, no estádio do Canindé. Já o Oeste visita o Avaí, na próxima terça-feira, às 19h30, na Ressacada.

Em crise, Portuguesa cogita venda do Canindé

Rebaixada à Série C após derrota para o Oeste por 3 a 0, na última terça-feira, a Lusa, que, até o momento, tem a segunda pior campanha da história da Série B na era dos pontos corridos, não vê outra saída para sanar os seus problemas financeiros senão vender o terreno do Canindé. Quem confirma a informação é o presidente rubro-verde, Ilídio Lico.

Em entrevista exclusiva ao Portal da Band, o dirigente declarou que pode acontecer uma parceria para ceder o tradicional estádio de São Paulo

“Muito se fala, mas não tem nada de vender. O que pode acontecer é uma parceria com alguma construtora que faça prédios no local do Canindé e dê para o clube uma arena e um hotel”, disse.

O mandatário rubro-verde ressaltou o espaço do local onde está o Canindé.

“Temos 100 mil m² no Canindé. Poderíamos fazer uma arena em 60, 70, mil metros, e no outros trinta alguns prédios comerciais. Mas não tem nada certo. Isso tudo é uma especulação, uma ideia”, afirmou.

Problemas financeiros sem fim

Após o bom momento em 2011, quando conquistou o título da segunda divisão, a Portuguesa amargou o rebaixamento no Campeonato Paulista no ano seguinte, mas conseguiu a permanência na Série A sob o comando do técnico Geninho. Na última temporada, conquistou o acesso à elite do estadual, mas, depois do ‘Caso Héverton’, foi parar na Série B do nacional.

Desde então, problemas e mais problemas foram tomando conta dos bastidores do Canindé. Dívidas trabalhistas, atraso de salários e até mesmo greve de funcionários ocorreram. O goleiro Rafael Santos, inclusive, deu a entender que existem alguns problemas internos no clube.

“A gente trabalha bastante e não falta dedicação, mas são tantas coisas erradas que acabam nos atrapalhando. Temos família e estamos passando por uma coisa que não tem explicação”, declarou.

“Trabalhei um mês e três dias e nada de pagamento”, salientou Benazzi, um dos seis treinadores que dirigiram o clube na Série B. Além dele, Guto Ferreira, Argel Fucks, Marcelo Veiga, Silas e José Augusto comandaram a Lusa.

Insatisfação mútua

O descontentamento com a situação do clube é geral, e vai desde os funcionários da parte social até os jogadores. Um trabalhador, que não quis ser identificado, não poupou críticas à atual diretoria.

“A gestão do Da Lupa era muito melhor, mesmo com todas as dificuldades. Antes tinha organização. Agora, o presidente só faz troca de favores. Coloca alguém no cargo só por amizade. Tem muita coisa errada. O clube está à deriva. Nível de corrupção”, declarou.

“O Lico coloca pessoas despreparadas no cargo, sem competência, amadores. Tivemos a greve semana passada. Com o da Lupa poderia atrasar, mas não tanto como agora”, complementou.

Para ele, mudanças precisam ser feitas para a Portuguesa dar a volta por cima.

“Precisa mudar algo. Alguém tem de fazer alguma coisa. Essa diretoria precisa sair porque está uma bagunça”.

Enquanto a Lusa cai…

Pivô do rebaixamento da Portuguesa à Série B do Campeonato Brasileiro no último ano, o meio-campista Héverton fez o caminho inverso ao do clube do Canindé nesta temporada. Ele conquistou o acesso à segunda divisão com a camisa do Paysandu, enquanto a Rubro-Verde caiu para a Série C.

Ciente da situação da Lusa, o jogador pede uma mudança de postura para o clube retomar os bons momentos.

“Muita coisa precisa ser mudada. A Portuguesa viveu um bom momento quando teve o acesso à Série A (em 2011), mas dali em diante tiveram coisas que ocasionaram na situação do rebaixamento”, falou.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo