Tensão e cansaço na ultramaratona Brasil Ride 2014

Por lyafichmann

logo brasil rideCerca de 400 participantes – de um total de 500 atletas – ainda estão na disputa pelo título da ultramaratona Brasil Ride 2014, na Chapada Diamantina, na Bahia. Neste quinto dia, os ciclistas pedalaram aproximadamente 95 km de distância e mais de 1.880 metros de subidas acumuladas , com destaque para o trecho de mais de 40km de descida pela região conhecida como Serra das Almas. Mesmo sendo uma etapa mais “tranquila”, após tanto desafio superado pelos ciclistas, o cansaço acumulado nos já 370 km pedalados testa a habilidade dos ciclistas.

Na competição, o momento mais difícil do dia encarado pelos atletas foi a Serra Verde, último trecho do percurso que liga as cidades de Livramento de Nossa Senhora à Rio de Contas, uma linda subida de asfalto com aproximadamente 10km de distância.

Leia também:
• Chapada Diamantina mostra sua beleza – e brutalidade – aos ciclistas
• Espanhol vence etapa em formato olímpico na ultramaratona Brasil Ride 2014
• Atletas superam altas temperaturas na etapa mais dura da Brasil Ride 2014
• Ultramaratona de mountain bike desbrava 600 km de trilhas na Bahia

O português Luís Leão Pinto que perdeu o parceiro na etapa anterior, largou sozinho e assim, colocou seu próprio ritmo, sendo o primeiro a cruzar a linha de chegada com uma margem de tempo impressionante, abrindo mais de 10 minutos das primeiras duplas.

“Numa Ultramaratona de MTB como a Brasil Ride é muito importante você gerir seu esforço. Já que é o quinto dia e você já está com quase 400km de trilha – e não é uma trilha qualque – , você tem muita pedra, areia, o corpo fica todo batido”, afirma Luís Leão, que apontou também a necessidade de gerenciar o desgaste mental. “Quando você é profissional você precisa se supera. Sei que isso não é fácil, mas tem que estar preparado para sofrer até o final”, disse.

“A recuperação após cada prova é o ponto mais complicado para o atleta. Ainda mais como foi a segunda etapa que foi muito dura. No terceiro dia o cansaço ficou visível. Não tem como, acumula de um dia para o outro. Em 24 horas fazemos de tudo para recuperar: alimentação, hidratação, massagem, mas mesmo assim é difícil. O segredo é manter a constância, pois se você esforçar-se muito num dia, no próximo, vai refletir bastante isso”, disse Sherman Trezza, que terminou na quarta colocação geral e manteve a camisa de líder da categoria América.

A briga pelo título da etapa ficou na última subida. A equipe Trek Factory Racing, formada por Sérgio Mantecón e Ricardo Pscheidt, duelou com o time de Hans Becking e Jiri Novak (Superior-Brentjens Mountain Bike Racing). Um pouco atrás na perseguição vieram os líderes Tiago Ferreira e Periklis Ilias (Protek), seguido dos brasileiros Henrique Avancini e Sherman Trezza (Caloi Elite).

A decisão foi emocionante, com um belo sprint de chegada. Melhor para o time, Superior-Brentjens Mountain Bike Racing, que conquistou a 1ª vitória na competição.

“Nós atacamos desde o começo. Conseguimos abrir uma vantagem, mas tive um pneu furado. No singletrack nós atacamos novamente juntamente com os atletas da Trek. Nós queríamos ganhar hoje. Eles também queriam ganhar. Fizemos um grande duelo. Hoje (sexta-feira) foi bom e a tendência é melhorar a cada dia”, disse Hans Becking, da Holanda, que completou a etapa com o tempo de 4 horas, 14 minutos e 37 segundos. Mesmo com seis minutos de atraso, a equipe Protek conseguiu sustentar a camisa amarela de líder.

“Sempre tentamos um pouco de divertimento quando estamos numa corrida. Senão fica impossível de continuar porque o cansaço é grande. Tentamos encontrar partes da etapa para animar. Mas na etapa tinham muitas zonas que foi preciso empurrar a bicicleta na subida. Na descida, procuramos descer com segurança para evitar problemas. Felizmente conseguimos manter a camisa de líder. Vamos continuar na luta”, comenta Tiago Ferreira.

A dupla da Trek com o brasileiro Ricardo Pscheidt fez uma grande corrida, após uma etapa complicada no quarto dia. “Na verdade já tivemos dois dias complicados, na segunda etapa quando tive um tombo forte que nos tirou da briga na classificação geral. Nesta quinta-feira perdemos algum tempo ao errar o caminho. Nesta sexta me senti muito mal logo no início. As pernas estavam pesadas, mas na parte técnica e nas descidas conseguimos ganhar posições e recuperar muitas colocações. Alcançamos os líderes, viemos revezando num ritmo bom. As pernas melhoraram mas no sprint, perdi a posição faltando 30 metros, mas faz parte. Estou feliz com o resultado”, comentou o catarinense tricampeão brasileiro de MTB XCO, que compete com uma bike Trek Top Fuel com amortecimento integral.

Na categoria feminina, Sonya Looney e Nina Baum (Notubes / Ergon) conquistaram a quinta vitória consecutiva. Mas a cada dia as adversárias também ficam mais fortes. Com destaque para as ciclistas da seleção brasileira, Isabella Lacerda e Érika Gramiscelli (CBC/Caixa) que conquistaram a excelente 2ª colocação, após ultrapassar na última serra o time da Specialized, formado por Rebecca Rusch e Ally Stacher.

Na dupla mista, a vitória ficou com os italianos Annabella Stropparo/Piero Pellegrini (Team Hersh Amici Di Annabella); seguidos pela equipe Niner / Shimano Ivonne Kraft e Mateus Ferraz, que manteve a camisa verde de líder da categoria, rumo ao quinto título para Ivonne e o quarto para Mateus.

Nas categorias Máster, Bart Brentjens e Abraão Azevedo (BRENTJENS MOUNTAINBIKE RACING TEAM) e Grand Master Heleno Caetano Borges/Paulo Felipe Vasconcelos (TEAM KONSK / CICLORACE), ambos mantêm a liderança.

Nesta sexta-feira (24) foi realizada outra etapa super longa na Brasil Ride 2014, com 143,5km de percurso e 3.252m de elevação acumulada, com largada em Rio de Contas, a partir das 6 horas da manhã, e com chegada na cidade de Mucugê.

Até agora os ciclistas estiveram em algumas etapas clássicas e icônicas, como o prólogo em Mucugê; a etapa mais longa e a temida trilha do Vietnã; a prova de cross country olímpico; os cenários épicos no 4º dia, até a quinta etapa, considerado o percurso mais divertido. Resultados completos no site: www.brasilride.com

Ciclistas sofrem com o calor nos 1.880 m de subidas acumuladas nesta 5ª etapa da ultramaratona de MTB  | Fábio Piva/ Brasil Ride Ciclistas sofrem com o calor nos 1.880 m de subidas acumuladas nesta 5ª etapa da ultramaratona de MTB 
| Fábio Piva/ Brasil Ride
Líderes da competição em fuga | Fábio Piva/ Brasil Ride Líderes da competição em fuga | Fábio Piva/ Brasil Ride
Ciclistas sobem a Serra Verde, em Rio de Contas, na 5ª etapa da ultramaratona Brasil Ride 2014, na Chapada Diamantina. No fundo, a visão espetacular de uma cachoeira | Fábio Piva/ Brasil Ride Ciclistas sobem a Serra Verde, em Rio de Contas, na 5ª etapa da ultramaratona Brasil Ride 2014, na Chapada Diamantina. No fundo, a visão espetacular de uma cachoeira | Fábio Piva/ Brasil Ride
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo