Carlos Miguel Aidar demite Juvenal Juvêncio do São Paulo

Por Tercio Braga
Juvenal Juvêncio (à esq.) e Carlos Miguel Aidar durante a festa de trânsição do comando do São Paulo | Davi Ribeiro/ Fotoarena/ Folhapress Juvenal Juvêncio (à esq.) e Carlos Miguel Aidar durante a festa de trânsição do comando do São Paulo | Davi Ribeiro/ Fotoarena/ Folhapress

Um dia depois de conseguir uma vitória importante sobre o líder Cruzeiro e diminuir a diferença para os mineiros na tabela, o São Paulo pegou fogo nos bastidores. Isso porque o presidente Carlos Miguel Aidar anunciou nesta segunda-feira a demissão do ex-presidente Juvenal Juvêncio, que trabalhava como diretor das categorias de base do Tricolor. Junto com ele, deixaram o cargo Geraldo Oliveira e Marcos Tadeu, que também trabalhavam com o ex-mandatário.

“Comunico o fim da colaboração do Dr. Juvenal Juvêncio na diretoria por mim presidida. São Paulo Futebol Clube reconhece a importante contribuição que Juvenal sempre deu ao clube”,  dizia o comunicado oficial assinado por Aidar.

A decisão foi tomada pelo atual presidente após uma troca de acusações, via imprensa, que os dois se envolveram na semana passada.

A saída de Juvenal deve desencadear mudanças na cúpula do São Paulo. É possível que vice-presidentes e diretores aliados a ele entreguem seus cargos nos próximos dias, e que outros sejam destituídos por Aidar.

“É um traídor. Aliás, eu falei isso para ele. Um traidor vil. Cometi um grande equívoco ao apoiá-lo na eleição”, contou ao UOL o ex-presidente Juvenal, que trabalhava no São Paulo desde 1984 – ele também já esteve no cargo de diretor de futebol.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo