Tirar a Copa da Rússia não está em discussão, diz Blatter

Por Tercio Braga
Blatter garant eter o apoio necessário para realizar a Copa na Rússia, apesar das críticas | Pilar Olivares/Reuters Blatter garant eter o apoio necessário para realizar a Copa na Rússia, apesar das críticas | Pilar Olivares/Reuters

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, reiterou que a sede da Rússia para a Copa do Mundo de 2018 não está em discussão.

“Nós não estamos colocando dúvidas sobre a Copa do Mundo na Rússia”, disse ele num evento perto de Kitzbuehel, na Áustria, de acordo com a agência de notícias DPA.

“Estamos em uma situação em que temos manifestado a nossa confiança para os organizadores das Copas do Mundo de 2018 e 2022”, acrescentou. “(Um boicote) nunca alcançou nada.”

Houve apelos de políticos para que o torneio fosse levado para outro lugar por causa do papel da Rússia na crise da Ucrânia e da ocupação da Crimeia.

Questionado na semana passada se havia algum risco de que a Rússia poderia perder o direito de realizar o torneio devido à complicada situação política, o presidente Vladimir Putin disse: “Eu espero que não. A Fifa já disse que futebol e esporte não têm ligação com política e acho que essa é a abordagem correta.”

A Rússia vai sediar a Copa do Mundo de 2018 em 12 estádios em 11 cidades, incluindo dois em Moscou.

A Copa do Mundo de 2022 será disputada no Catar, que também tem sido criticado por causa dos supostos maus-tratos a trabalhadores migrantes na indústria da construção.

O comitê de ética da Fifa está investigando o processo de votação que levou à concessão dos torneios aos dois países, em dezembro de 2010.

UE evoca um boicote à Copa da Rússia

Um boicote europeu à Copa do Mundo na Rússia, em 2018, foi mencionado em um documento de trabalho sobre as sanções contra Moscou em função da crise na Ucrânia, informou nesta quarta-feira uma fonte europeia.

A ideia figura em um documento de trabalho discutido pelos Estados membros da União Europeia.

“Mas seria uma possibilidade para mais tarde, não para agora”, acrescentou a fonte.

Segundo o Financial Times, o documento fala de “uma ação coordenada dentro do G7, além de recomendar a suspensão da participação da Rússia em grandes eventos, culturais, econômicos ou esportivos (corridas de Fórmula 1, competições de futebol da Uefa, Copa de 2018, entre outros eventos)”.

A Comissão Europeia deve apresentar as propostas aos Estados para reforçar as sanções contra a Rússia, acusada de ter enviado tropas para combater ao lado de separatistas pró-russos em território ucraniano.

Loading...
Revisa el siguiente artículo