Grêmio responde por denúncia de racismo no STJD

Por Tercio Braga
Aranha chama a atenção para os gritos da torcida. No destaque, Patrícia Moreira, mostrada pelas câmeras chamando o goleiro de Aranha chama a atenção para os gritos da torcida. No destaque, Patrícia Moreira, mostrada pelas câmeras chamando o goleiro de ‘macaco’ | Roberto Vinicius/ Eleven/ Folhapress

Tão difícil quanto reverter a derrota por 2 a 0 para o Santos, na Arena, pela Copa do Brasil, será o duelo que os advogados gremistas terão a partir das 14h, no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), no Rio de Janeiro, quando o Grêmio será julgado pelos gritos de torcedores ao goleiro Aranha, na semana passada. A principal acusação que o clube responderá será pelo artigo 243 (prática de ato discriminatório). Entre as punições possíveis está a exclusão do torneio, a perda de mandos de campo e multa.

Adalberto Preis, um dos integrantes do Conselho de Administração, afirmou que tudo o que aconteceu na Arena foi fruto de uma encenação.

“Sabem por que o árbitro não ouviu nem presenciou? Porque não houve. Foi tudo uma grande encenação do goleiro para fazer cera”, insinuou o dirigente em sua conta no Twitter. Na sequência se retratou. “Não neguei a ocorrência de atos isolados individuais que poderiam [ão] ser caracterizados como injúria racial.”

Confusão

Torcedora Patricia Moreira foi flagrada xingando Aranha de Torcedora Patricia Moreira foi flagrada xingando Aranha de ‘macaco’ na Arena do Grêmio | Reprodução

Um dos torcedores do Grêmio intimados pela polícia  a prestar depoimento por conta dos atos racistas contra o goleiro Aranha, Tiago Bulzing de Oliveira, 23, alega que foi confundido. Ele afirmou que não estava atrás do gol defendido pelo santista, local de onde partiram as ofensas.

“Não era eu. Realmente se parece comigo, mas não era. Fiquei surpreso, mas vim tranquilo. Eu estava no quarto andar, em outro lado do estádio, nem perto da Geral [torcida organizada do clube gaúcho]”, disse o estudante, que foi à delegacia ontem pela manhã. O pai de Tiago afirmou que eles estudam processar o Grêmio.

Na quinta será a vez de Patrícia Moreira, 22, dar a sua versão dos fatos. Ela ficou  famosa ao ser flagrada pelas câmeras da “ESPN” quando chamava Aranha de “macaco”. Ela cogita, segundo o advogado Guilherme Abrão, que defende a jovem, se retratar pelas ofensas.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo