Grêmio é excluído da Copa do Brasil por ato racista

Por Tercio Braga
Koff não concordou com a punição | Marcelo Fonseca/Folhapress Koff não concordou com a punição | Marcelo Fonseca/Folhapress

Em 111 anos de história, o Grêmio acumulou derrotas das mais diferentes formas, mas nunca tinha passado por um golpe tão forte como o de ontem. Por unanimidade os cinco auditores do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) excluíram o clube da Copa do Brasil pelas injúrias raciais promovidas por alguns torcedores contra o goleiro Aranha, na partida contra o Santos, na semana passada. (vote na enquete no fim do texto)

Após quatro horas de julgamento, os representantes gremistas deixaram a sede da entidade, no centro do Rio de Janeiro, com o sentimento de injustiça. O clube irá recorrer, e o julgamento deverá ser realizado semana que vem.

O sorteio do mando de campo das quartas de final da Copa do Brasil ocorre amanhã. O Grêmio entrará com um pedido de efeito suspensivo. Caso aceito, a competição será paralisada. “Respeitamos a decisão, embora discorde dela. Houve um exagero da interpretação da regra”, argumentou o presidente Fábio Koff.

Aranha chama a atenção para os gritos da torcida. No destaque, Patrícia Moreira, mostrada pelas câmeras chamando o goleiro de Aranha chama a atenção para os gritos da torcida. No destaque, Patrícia Moreira, mostrada pelas câmeras chamando o goleiro de ‘macaco’ | Roberto Vinicius/ Eleven/ Folhapress

O dirigente foi uma das armas de defesa do Grêmio. Também foram apresentados vídeos e depoimentos de jogadores. “Parece que está ocorrendo uma caça às bruxas. O racismo é um problema social. Não há nenhum negro entre os procuradores do Tribunal”, argumentou o diretor jurídico do clube, Gabriel Vieira, durante sua explanação.

A reincidência dos gritos com a palavra “macaco” na partida contra o Bahia, a falta de respeito com a morte de Fernandão no Gre-Nal e a postagem do Twittter do vice-presidente Adalberto Preis, dizendo que o goleiro Aranha estava encenando, foram utilizadas pela acusação.

Após a sentença, os advogados gremistas mostraram indignação com a decisão. O caso do Paraná Clube, punido este ano por racismo com multa de R$ 30 mil por atos similares, foi utilizado como exemplo. “Se acabarmos com a discriminação racial com esta decisão. O Grêmio se dá por feliz”, disse Koff no fim de um dos dias mais tristes da centenária história tricolor.

As punições

• Grêmio. Foi excluído da Copa do Brasil e pagará R$ 54 mil de multa, R$ 50 mil pelas injúrias raciais, R$ 2 mil por rolo de papel higiênico atirado no gramado e R$ 2 mil pelo atraso na entrada em campo.

• Torcedores. Os que foram identificados estão proibidos de entrar na Arena por 720 dias.

• Árbitro. Wilton Pereira Sampaio foi punido com a suspensão de 90 dias e multa de R$ 1,6 mil por mau preenchimento da súmula.

Torcedora será ouvida nesta quinta

Torcedora Patricia Moreira foi flagrada xingando Aranha de Torcedora Patricia Moreira foi flagrada xingando Aranha de ‘macaco’ na Arena do Grêmio | Reprodução

Patrícia Moreira, de 23 anos, torcedora flagrada pelas câmeras chamando o goleiro Aranha de macaco tem seu depoimento previsto para esta quinta na 4ª DP. A expectativa é que ela faça um pedido público de desculpas ao jogador do Santos.

Três torcedores já foram ouvidos pela polícia. Todos negaram ter dito palavras de cunho racista ao goleiro santista. Entre eles, Rodrigo Rysdyk, de 35 anos, líder da torcida Geral do Grêmio.

Outro torcedor que prestou depoimento, Fernando Ascal foi acompanhado pelo seu advogado e dois amigos, um deles negro.

Outro integrante da Geral será intimado a depor. Juliano Franczak, conhecido como o Gaúcho da Geral. Ele é suplente do conselho deliberativo do clube.

[poll id=”281″]

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo