"Se perdermos, vamos todos para o inferno", diz presidente da CBF

Por Tercio Braga
Marin durante entrevista no estúdio da Rádio Bandeirantes / Fábio Oliveira/Portal da Band Marin durante entrevista no estúdio da Rádio Bandeirantes / Fábio Oliveira/Portal da Band

selo-copa-metro-100Na avaliação do presidente da CBF, José Maria Marin, a Seleção Brasileira está “no purgatório” por jogar a Copa do Mundo em casa:

Leia também
• Com reforma completa, CBF reinaugura Granja Comary

“Se ganharmos a Copa, vamos para o céu. Se perdermos, vamos todos para o inferno. Eu falei isso para o Felipão”, afirmou o cartola, referindo-se ao técnico Luiz Felipe Scolari.

O motivo da preocupação de Marin é com um possível tropeço em casa, a exemplo do que aconteceu com a Seleção Brasileira em 1950. Naquele ano, o que ficou para a história foi o fato de o Brasil ter sido vice-campeão após perder para o Uruguai no Maracanã.

Por deixar o comando da CBF no próximo ano – vai apoiar o presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo del Nero, na eleição que acontece em 16 de abril –, Marin quer ser eternizado como o presidente que fez o Brasil ser campeão em casa.

Granja Comary

A sede da Seleção Brasileira foi reinaugurada ontem, em Teresópolis, região serrana do Rio de Janeiro, após dez meses de reformas. Foram gastos cerca de R$ 15 milhões nas mudanças. O centro de treinamento conta agora com 39 suítes – a maior é a de Felipão – e implementações em diversas áreas. O Brasil inicia os treinos para a Copa no dia 26 de maio.   METRO

Loading...
Revisa el siguiente artículo