Corintiano preso em Oruro se envolveu na briga do jogo contra o Vasco

Por Tercio Braga

De acordo com o jornal “O Estado de São Paulo”, um dos 12 torcedores do Corinthians que ficaram presos por meses na Bolívia, após a morte do jovem Kevin Spada, esteve envolvido na briga entre corintianos e vascaínos, no último domingo, no Estádio Mané Garrincha (DF). A partida era válida pelo Campeonato Brasileiro e, durante o confronto, torcedores promoveram um tumulto generalizado nas arquibancadas da nova arena.

Veja também
Corinthians e Vasco podem perder dez mandos por briga em Brasília

Segundo o “O Estado de São Paulo”, o torcedor em questão, conhecido como Soldado, é sócio da Gaviões da Fiel e pertence à alta cúpula da torcida organizada corintiana. Por meio de vídeos e fotos, o jornal cita que, em meio à confusão, Soldado também enfrentou PMs, trocou socos e pontapés com vascaínos e ainda acabou atingido por um spray de gás de pimenta.

Ainda de acordo com a publicação, Soldado foi um dos primeiros a correr em direção aos torcedores do Vasco, no intervalo da partida. A falta de barreiras físicas para separar as torcidas, inclusive, colaborou para aumentar o confronto entre os rivais.

Veja imagens em vídeo do confronto:

Procurada pelo “O Estado de São Paulo”, a Gaviões da Fiel afirmou que não havia sido comunicada oficialmente sobre a participação do torcedor em questão na briga com os vascaínos. Pelas imagens, Soldado pode ser enquadrado no artigo 41 do Estatuto do Torcedor, que prevê a exclusão dos estádios por até três anos de quem “promover tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos”.

Preso em 23 de fevereiro na Bolívia, três dias depois da morte de Kevin Spada (na partida entre San José e Corinthians, pela Libertadores), Soldado saiu da prisão de Oruro em 2 de agosto, junto a outros quatro torcedores.

Loading...
Revisa el siguiente artículo