Presidente do Santos alega problemas de saúde e se afasta por um ano

Por Tercio Braga
Luis Alvaro | Ricardo Saibun/Divulgação A saída de Luis Alvaro acaba por atender as reivindicações da oposição santista | Ricardo Saibun/Divulgação

O presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, pediu afastamento do cargo pelo período de um ano. O anúncio foi feito por comunicado publicado no site do clube, na noite desta quinta-feira. Neste período, o vice Odílio Rodrigues, que já vinha atuando como mandatário durante a última licença médica de Laor, assume o comando do Peixe.

O mandato da atual diretoria se encerra em dezembro de 2014. Com isso, ao voltar ao posto máximo do clube, restarão pouco mais de quatro meses à frente do Santos.

A saída de Laor acaba por atender, em parte, as reivindicações da oposição, que desejava o impeachment do dirigente.

No comunicado, o cartola diz atende um pedido feito pelas seis filhas para que se dedicasse totalmente ao tratamento médico. Este ano, Laor sofreu um infarto e teve outras complicações pulmonares, o que o manteve longe do Santos por cerca de 50 dias.

“Nos últimos dias, aflitas com meu estado de saúde, minhas seis filhas fizeram um apelo comovente para que eu me dedicasse de maneira mais séria a meu tratamento, sob risco de acontecer o pior a qualquer momento”, diz Laor em nota.

Luís Alvaro assumiu o Santos em 2010, e desde então esteve à frente do clube nos títulos da “era Neymar”: três Paulistas, uma Copa do Brasil, uma Libertadores e uma Recopa.

Apesar das conquistas, o dirigente se notabilizou pelo esforço em manter Neymar, enfrentando o assédio de grandes europeus. O clube só cedeu este ano, quando o craque trocou o Santos pelo Barcelona, em negócio criticado pela oposição do clube.

Leia o comunicado na íntegra:

“Prezado Santista

Como é de conhecimento público, desde 2011 venho acumulado problemas de saúde que têm comprometido meu dia-a-dia na Presidência do Santos Futebol Clube.

Estes problemas me acompanharam durante um bom período em 2012 e agravaram-se no início deste ano, quando sofri um infarto e outras graves complicações pulmonares – já havia sofrido um em 2003, com consequentes quatro paradas cardíacas.

Fiquei internado no Hospital Albert Einstein por 50 dias e, desde então, venho tentado retornar a meu ritmo normal na Presidência do Clube, com muita dificuldade.

Nos últimos dias, aflitas com meu estado de saúde, minhas seis filhas fizeram um apelo comovente para que eu me dedicasse de maneira mais séria a meu tratamento, sob risco de acontecer o pior a qualquer momento.

É fato que o Santos FC precisa de um Presidente que esteja presente em seu dia-a-dia, liderando a reformulação em curso após um período de três anos com seis títulos conquistados, o controle das finanças e a redemocratização de nosso estatuto.

Diante disso, em nome do amor à minha família e ao Santos FC, pedi, neste 15 de agosto de 2013, afastamento pelo período de um ano das funções de Presidente do Clube.

Este prazo deve ser suficiente para a continuidade de meu tratamento de saúde, que prevê várias sessões de fisioterapia no Hospital Albert Einstein e uma série de limitações que impedem minha atuação 100% dedicada ao Clube.

Saio tranquilo por saber que tenho um vice-presidente capaz de liderar o Clube em minha ausência, ao lado dos membros do Comitê de Gestão, e um grupo de funcionários extremamente capazes e dedicados, que transformaram o Santos FC em um Clube de vanguarda no futebol brasileiro com uma série de inovações nos últimos anos.

Muito obrigado a todos e até a volta.”

Loading...
Revisa el siguiente artículo