The Killers: Em ‘Imploding the Mirage’, banda lança mão de sonoridades conhecidas

Por Metro Jornal

Ouvir “Imploding the Mirage”, o novo disco do The Killers lançado na última sexta-feira (21), é como escutar  músicas que soam, de alguma forma, familiar. Nesse caso, isso é usado pela banda a seu favor, que, com o sexto álbum de estúdio, sedimenta sua trajetória nos ouvidos dos fãs de rock.

Com bagagem de quase duas décadas – 19 anos para ser mais exato –, The Killers sabe como fazer um bom álbum. Desde o lançamento de seu primeiro single, “Mr. Brightside”, uma de suas músicas de maior sucesso comercial, a banda conseguiu cativar atenção para seus trabalhos.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Na nova obra, o trio formado por Brandon Flowers, Mark Stoermer e Ronnie Vannucci Jr. anda por terreno conhecido. Riffs de guitarra que você já ouviu em algum lugar, mas bem trabalhados na estética que a banda construiu ao longo dos anos, aqui, servem como uma fórmula para construir um trilha sonora eufórica. É possível falar de uma aproximação com o rock de arena, cuja grandiosidade tem como objetivo fazer um mar de gente pular.

Esse rótulo, no entanto, não seria o suficiente para descrever o som atingido. Este é o primeiro trabalho da banda que não tem as guitarras gravadas por Dave Keuning, em hiato do grupo desde 2017. Nas dez faixas, isso fica claro: as cordas estridentes dão lugar a sintetizadores que preenchem com novas texturas as canções. Vale lembrar: algo que já vem sendo bem explorado pela cena indie com o revival dos anos 80, na última década, por diferentes bandas, em um aceno ao synth-pop e synth rock.

É em singles já conhecidos, como “My Own Soul’s Warning”, na abertura,  e “Caution”, e outras músicas como “Running Towards a Place” e “When The Dreams Run Dry”, que podemos distinguir certas andanças por esses lados. “My God”, na contramão, soa quase como um hino de arena, apropriado à proposta do disco.

O formato sonoro também vem por influência dos artistas que o trio chamou para ajudar no trabalho. Nomes como Lindsey Buckingham, do Fleetwood Mac, k.d. lang, Weyes Blood, Adam Granduciel, do The War on Drugs, dão suas contribuições.  

Loading...
Revisa el siguiente artículo