Zión Moreno fala sobre papel em 'Control Z' e quebra de estereótipos

Por Metro Internacional

Com uma carreira jovem, Zión Moreno conseguiu se posicionar em papéis importantes, sendo um deles Isabela de la Fuente, uma das protagonistas de "Control Z", série mexicana da Netflix já disponível que bombou entre o público brasileiro.

Na trama, um hacker expõe os segredos de um grupo de alunos de uma escola de elite. A primeira temporada mostra a protagonista Sofía (Ana Valeria Becerril) em busca do responsável pelo episódio que trouxe caos ao colégio, enquanto as vítimas lidam com a repercussão de terem suas verdades compartilhadas.

Além disso, em breve veremos a atriz dando vida a um dos personagens principais no reboot do hit global Gossip Girl, produzido pela HBO para os Estados Unidos. Ao Metro Internacional, Zión Moreno falou sobre seu papel em "Control Z", em que interpreta uma mulher trans e 'rainha' da escola.

“Isabela tem um relacionamento com Pablo, que é o garoto de ouro da escola e às vezes tem tendências tolas, mas ela é a primeira vítima do hacker, que revela que ela é uma garota trans, e então a trama começa. Use minhas experiências anteriores de ser uma adolescente no ensino médio que também sofria de bullying. Eu acho que Isabela é uma nova personagem, não apenas para a América Latina, mas para o mundo, porque ela quebra estereótipos contando sua história trans."

Depois que um hacker começa a revelar os segredos mais íntimos dos dos alunos para toda a escola, a ordem social do colégio Nacional fica de cabeça para baixo. Jovens populares são espancados, párias ganham status e todos são suspeitos. "As pessoas precisam ver 'Control Z', porque é algo muito novo, fresco e dá uma perspectiva real, mesmo que seja um pouco desconfortável, da vida dos adolescentes, principalmente nos tempos modernos e do bullying, que é muito real. Isso pode ajudar muitas pessoas ".

Contra os rótulos de 'mulher trans'

A atriz norte-americana de pais mexicanos acrescentou como é ser uma mulher trans na indústria do entretenimento. "Não categorizar as pessoas me ajudou a fortalecer a minha própria criatividade, a minha imagem e a paixão de ser atriz e escritora. Essa é uma área que às vezes não é tão inclusiva, mas que está fazendo mais, principalmente nos últimos anos."

Ele acrescentou: "É difícil para todos, mas acho que unir nossas vozes como pessoas marginalizadas ajuda o público a se familiarizar e e leva às telas a vida de pessoas que normalmente não são vistas. É uma oportunidade de tirar os esteriótipos das pessoas trans."

Raízes mexicanas

Zión Moreno conseguiu equilibrar seu trabalho nos Estados Unidos e no México. “Sinto-me com sorte por poder trabalhar nos Estados Unidos e na América Latina, sempre foi um sonho meu trabalhar em Hollywood e ainda estou trabalhando duro para alcançá-lo. Meus pais são mexicanos e eu sempre quis fazer projetos no México, porque me sinto muito orgulhosa da minha cultura, minhas raízes e estou em um bom caminho… por enquanto [risos]. ”

Quarentena

A artista disse que tenta lidar com o isolamento de maneira positiva, principalmente porque o isolamento social foi estendido para três meses em Los Angeles, onde mora atualmente. “Nas maiores cidades dos Estados Unidos, como Nova York e Los Angeles, eles não nos permitirão participar de atividades em grupo até o ano seguinte. É completamente avassalador e é um território completamente novo para o cinema e a televisão, acho que talvez as produções tenham grupos pequenos para gravar, mas há muita incerteza."

View this post on Instagram

comin’ out of her cave…

A post shared by Zión Moreno (@zion.moreno) on

Loading...
Revisa el siguiente artículo