HQ conta história de policiais civis de SP na busca por crianças desaparecidas

Por Eduardo Ribeiro - Metro São Paulo

A HQ “Nobre/Lobo”, publicada pela Sesi-SP Editora, contemplada recentemente com o Prêmio Cátedra 10 Unesco-PUC Rio, na categoria Distinção, honraria que celebra “obras de excelência, com valor literário, plástico e editorial voltados para os públicos infantil e juvenil”, é uma realização de apuro estético e suspense, bem do jeito que os aficionados por graphic novels apreciam. Em suas páginas o leitor depara com um cuidadoso clima noir.

Nesta trama policial escrita por Gustavo Tertoleone e ilustrada por João Gabriel, dois detetives da Polícia Civil de São Paulo, Luís Nobre e Milton Lobo, são encarregados de investigar uma série de desaparecimentos de crianças. A cada salto narrativo vem uma nova e surpreendente revelação. Além do envolvente roteiro, o suspense ganha força  com a qualidade gráfica, e os desdobramentos da investigação fazem Nobre e Lobo repensarem não apenas a realidade, mas também seus princípios.

Acompanhar a dupla de detetives é mergulhar, sobretudo, na densidade do cotidiano desses corajosos profissionais e deparar com questionamentos como o que faríamos se estivéssemos no lugar deles e qual o limite entre crime e heroísmo, sanidade e misticismo, certo e errado.

Foi preciso muita pesquisa da parte dos autores para compor as diferentes características da Polícia Civil e a estética dos prédios de São Paulo. Tudo foi adaptado de maneira novelesca, o que, de certo prisma, garantiu que a obra se situasse num ponderado limiar entre o realismo e a artificialidade. Estão lá os problemas sociais que todo morador da metrópole sente, na pele e na alma, ao caminhar pelas ruas. Para garantir a fidelidade visual, foram visitadas algumas das locações usadas na história.

Em “Nobre/Lobo”, os raptos e mortes de crianças funcionam como fio condutor, mas são os aspectos que circundam a trama que dão o sabor da leitura. A relação entre os personagens, que faz emergir suas qualidades e defeitos, e como isso afeta a investigação e suas vidas pessoais é que é o barato aqui. No fim, o que parece ser um conto sobre bandidos e mocinhos torna-se uma contundente reflexão sobre responsabilidade e o peso das nossas escolhas.

Loading...
Revisa el siguiente artículo