MasterChef - A Revanche: ‘Técnica nunca ganha sobre sabor’, afirma Paola

Por Bruno Costa e Vinícius de Melo - Band

O curitibano Vitor Bourguignon venceu o andreense Estefano Zaquini nesta terça-feira, 17, na disputa pelo título de MasterChef – A Revanche após uma decisão dos jurados Henrique FogaçaPaola Carosella e Erick Jacquin. Com a somatória das notas, o campeão levantou o troféu por apenas um ponto de diferença.

Leia mais:
MasterChef – A Revanche: ‘O maior prêmio é a projeção do programa’, diz Ana Paula Padrão
MasterChef – A Revanche: ‘Me sentia menos favorito que o Estefano’, diz o campeão Vitor

Em entrevista ao Portal da Band, a chef de cozinha Paola explicou os motivos que levaram ao resultado. "MasterChef é uma competição que todo mundo assiste de casa e tira suas próprias conclusões. E tem nós três: eu com 29 anos de cozinha profissional, o Jacquin com mais de 30 anos e o Fogaça com mais de 15 ou 20 anos. É muita bagagem gastronômica", disse a jurada.

"Acha que vamos julgar igual à pessoa que está em casa? Primeiro, porque a gente come [os pratos]. Segundo porque, a gente vai basicamente avaliar o resultado final do prato. Técnica nunca ganhou de sabor, jamais. Se você quer saber exatamente, teve um excesso de doçura na sobremesa do Estefano que atrapalhava a degustação, era doce demais. E por mais que a mousse de chocolate do Vitor não estivesse na textura correta, a gelatina de caju, o crocante de caju era de uma delicadeza quase sublime", continuou.

"Talvez o problema seja que, durante as avaliações, a gente não pode revelar tudo, senão perde o suspense. E a entrada do Vitor era maravilhosa. Foi a entrada e a sobremesa [que decidiram]. Eu falei para o Estefano: 'A gente não julga pessoas, a gente julga pratos'. Se a gente julgasse pessoas, seria impossível para mim e eu não estaria aqui", completou.

Paola Carosella ainda elogiou o campeão do MasterChef – A Revanche por ter surpreendido a ela durante as gravações. "Faz um tempão que a gente gravou o programa, mas ele fez um sashimi de melão ao molho de atum que eu pensei: 'Isso é uma roubada, não pode ser. Impossível!'. Eu coloquei na boca e falei: 'P*ta que pariu, isso é surreal de bom"", relembrou. "Então, o menino foi lá fora, estudou e se profissionalizou. Ele estudou. Queira ou não, no nosso trabalho, quanto mais você estuda, lê e trabalha, mais impacto isso vai ter no resultado de final", concluiu.

 

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo