100 anos de Clarice Lispector! Editora abre as celebrações com novas edições de seus livros

Por Metro Jornal

Em comemoração ao centenário de Clarice Lispector, que será celebrado daqui exatamente um ano, em 10 de dezembro de 2020, a Editora Rocco está lançando novas edições de sua obra, com capas inéditas e conteúdo extra. Serão publicados, no total, 18 livros, publicados de acordo com os gêneros. Os primeiros, já disponíveis no site da editora (rocco.com.br), foram seus três romances de estreia: “Perto do Coração Selvagem” (1943), “O Lustre” (1946) e “A Cidade Sitiada” (1949).

As capas dos volumes, assinadas pelo designer Victor Burton, trazem recortes de telas feitas por Clarice, que pintou 22 quadros ao longo de sua vida. Na orelha, o leitor encontrará a imagem da tela na íntegra e, na contracapa, uma foto de Clarice que corresponde à década em que o livro foi originalmente publicado.

Veja também:
Michael Bublé vem ao Brasil para três shows em 2020
Programação do Masp para 2020 foca em dança

Já a novidade em relação ao conteúdo são os posfácios escritos por especialistas da literatura de Clarice. Foram convidados, por exemplo, o cineasta Luiz Fernando Carvalho (que está dirigindo uma adaptação da obra “A Paixão Segundo G.H”. com estreia marcada para 2020), Nádia Battella Gotlib (autora de uma fotobiografia de Clarice) e o filho da autora, Paulo Gurgel Valente, que escreverá sobre o último livro publicado em vida, “A Hora da Estrela”. Este fechará, em 10 de dezembro de 2020 o calendário de reedições.

“Clarice tem muita popularidade, mesmo 40 anos após a sua morte. Isso é algo que me intriga. Ao pensar sobre o assunto, a primeira resposta em que pensei foi que isso se deve ao seu talento, mas essa é uma resposta um pouco vaga. Há outros excelentes escritores que foram esquecidos”, diz o editor Pedro Vasquez.

“A gente percebe, então, que Clarice era extremamente à frente de seu tempo. Falava sobre questões que estão sendo debatidas hoje em dia, como a condição feminina. Ela antecipou muitas dessas questões tanto na ficção, com personagens que questionam a ordem social, como na sua própria vida, tomando posições de vanguarda e até se manifestando em apoio ao movimento estudantil na época da ditadura. Ela foi uma mulher livre e corajosa”, conclui o editor.

Além das obras escritas por Clarice, também será relançada, em comemoração ao centenário, uma nova edição de “Eu Sou Uma Pergunta: Uma Biografia de Clarice Lispector”, escrita por Teresa Montero, que vem agora com mais entrevistas e imagens.

‘Perto do Coração Selvagem’

Escrita por Clarice aos 22 anos, a obra de estreia mistura o real e o onírico ao explorar os pensamentos de Joana, uma órfã que destila veneno e ironia.

‘O Lustre’

Um dos títulos menos conhecidos, é uma narrativa claustrofóbica que percorre a mente da protagonista  Virgínia, abordando a transformação da menina em mulher e a mudança da comarca para a cidade grande e solitária.

‘A Cidade Sitiada’

O livro foi escrito durante os três anos em que Clarice viveu em Berna (capital suíça), quando seu marido trabalhava no consulado brasileiro local. Sentindo-se melancólica e solitária, a escritora criou a história de Lucrécia Neves, uma mulher que se sentia sufocada no subúrbio de São Geraldo.

Clarice
Loading...
Revisa el siguiente artículo